14:42 16 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Usina nuclear

    Rússia mostra sua força nuclear

    © REUTERS / Charles Platiau
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 151

    Esta semana, a estatal russa de energia nuclear Rosatom organizou uma excursão para diplomatas estrangeiros a várias usinas nucleares localizadas em diferentes partes do país.

    A visita da delegação de representantes permanentes de organizações internacionais com sede em Viena começou em 19 de julho. Durante a excursão os diplomatas, entre outras instalações, visitarão o maior centro de enriquecimento de urânio do mundo – o Complexo Eletroquímico dos Urais.

    Desta vez, o evento oficial de Rosatom superou seu próprio recorde de participações com mais de 20 diplomatas da China, Argentina, Israel e Qatar, entre outros países.

    A maioria dos visitantes estrangeiros confirmaram que as tecnologias nucleares desenvolvidas pela Rússia elevaram os padrões de segurança, informou o representante russo em Viena, Vladimir Voronkov, citado pelo site Ridus, acrescentando que "a Rússia pode se orgulhar de seus avanços no setor de alta tecnologia".

    Fukushima
    © East News / Kyodo/FOTOLINK
    Ao mesmo tempo, o chefe do Fundo de Desenvolvimento Energético, Sergey Pikin, disse que o desenvolvimento do sistema de segurança está relacionado com o incidente em Fukushima. Depois da tragédia no Japão, muitos países, incluindo a Rússia, reforçaram a segurança em suas usinas nucleares.

    "Fukushima nos ensinou muita coisa. Antes da catástrofe, por causa do acidente em Chernobyl, considerámos as falhas nos reatores nucleares como principal ameaça que pode acontecer. Mas o acidente no Japão mostrou que os problemas podem estar relacionados com os sistemas de periferia, tais como o de eletricidade ou o dos computadores, ou mesmo o fator humano que também pode causar acidentes", concluiu ele.

    Mais:

    Rosatom vai investir US$ 1,3 bilhão em energia eólica
    Rosatom construirá novos reatores nucleares para Índia e Irã
    ‘Rosatom tem estratégia diferente para vender seu combustível nuclear nos EUA’
    Tags:
    segurança, usina atômica, diplomatas, energia atômica, Rosatom, Fukushima, Viena, Qatar, Argentina, Israel, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar