23:30 21 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Foto de arquivo: centro para crianças nascidas prematuramente

    Crianças de outro mundo: Portugal registra caso raríssimo

    © AP Photo / M. Spencer Green
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Ekaterina Kozlova
    482

    Há pouco mais de uma semana, a mídia divulgou que em Portugal nasceu um bebê, cuja mãe morreu quatro meses antes.

    De acordo com declarações que os médicos fizeram logo após o parto desse bebê único, ele deve ficar sob controle médico a sério pelo menos durante três semanas.

    A Sputnik conseguiu entrar em contato com a diretora da Maternidade Alfredo da Costa, estabelecimento público de saúde especializado em obstetrícia, que fica em Lisboa. É neste lugar que a criança deve passar um tempo para ganhar um pouco mais de forças.

    Baby box perto de São Petersburgo, primeiro na região
    © Sputnik / Igor Russak
    Segundo informou a chefe da clínica, doutora Ana Campos, "Penso que este caso revela que o serviço nacional de saúde em Portugal conseguiu dar uma resposta com êxito a uma questão pouco comum e em que há poucos casos na literatura internacional".

    Até o momento não há muita informação específica sobre a saúde desta pequena pessoa que só conseguiu nascer graças aos médicos. Na mesma declaração, a doutora explicou como foi possível fazer o bebê nascer:

    "O êxito deste caso deveu-se a uma rede multidisciplinar em que as equipes de suporte de vida e dos intensivistas tiveram um papel primordial: fornecer o aporte externo de nutrição e hormonal, mantendo todo o suporte básico de manutenção dos órgãos vitais durante a gravidez".

    Enquanto a medicina fez o possível para manter a gravidez, várias perguntas continuam persistindo, por exemplo, todo o mundo sabe que a ligação física e psicológica entre mãe e bebê antes do nascimento é muito importante. Os especialistas da Maternidade Alfredo da Costa não deram uma resposta clara a esta pergunta.

    A especialista russa de obstetrícia e editora-chefe da revista Rody (Parto em tradução para português) Tatiana Butskaya, também partilhou seu ponto de vista do caso com a Sputnik, dizendo:

    "O que acontecerá com o bebê mais tarde? Do ponto de vista da fisiologia – se nasceu e começou respirando, ele é capaz de sobreviver, embora só o tempo mostre a robustez dessa vitalidade. Esta criança será uma ovelha Dolly para os médicos. Eles o examinarão todo o tempo, o apresentarão em congressos, conferências internacionais, há uma nova estrela de TV".

    Ana Campos também confirmou este ponto de vista, dizendo à Sputnik:

    O logo de UNICEF em Colônia, Alemanha, 5 de fevereiro de 2008
    © AP Photo / Hermann J. Knippertz
    "O significado deste caso vai exigir uma comunicação em revistas científicas, que será da responsabilidade das equipes envolvidas".

    É importante notar que o caso é claramente único, mas não é singular. Geralmente, crianças em situações parecidas pesam menos (cerca de 1 quilo) e o bebê português tinha de peso mais de 2 quilos.

    Na Rússia também foi registrado um caso parecido – em 2000 uma mulher de 22 anos esteve combatendo uma doença que fazia ela ter permanentes hemorragias cerebrais e derrames. Não obstante os sérios problemas de saúde ela, sem retomar consciência, conseguiu dar vida ao filho. 

    A médica russa Tatiana Butskaya, comentou à Sputnik:

    "A situação é completamente real. Neste momento, os japoneses estão muito perto da introdução de um útero artificial no qual bebês poderão serão criados".

    Tudo mostra que o futuro, se não está aqui, está muito perto. Mas a questão mais importante, a que os médicos tentarão ainda responder, continua sem resposta – que tipo de humanos serão estes, melhores que nós ou simplesmente diferentes, serão mais ou menos capazes de sobreviver?

    Tags:
    bebê, medicina, Portugal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik