21:21 20 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Luanda, Angola

    Angola: reservas da vacina contra a febre amarela esgotaram em 2016

    © Sputnik / Sergei Mamontov
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    130

    A Organização Mundial de Saúde (OMS) admitiu que a resposta à epidemia de febre amarela em Angola, que em seis meses matou cerca de 350 pessoas, levou pela primeira vez ao fim das reservas mundiais de emergência da vacina, sgeundo informou a Agência Brasil.

    A informação faz parte de um recente relatório da OMS sobre a propagação da epidemia da doença em Angola  a outros países africanos, como a República Democrática do Congo (RDC) e Uganda.

    A gestão das reservas mundiais de vacinas contra febre amarela, cólera e meningite, para situações de emergência, é assegurada pelo Grupo de Coordenação Internacional (ICG), criado por organizações internacionais como a OMS e o UNICEF em 1997.

    "A resposta ao surto de Angola esgotou as reservas globais de 6 milhões de doses de vacina contra a febre amarela, duas vezes este ano. Isso nunca aconteceu antes. No passado, o ICG nunca usou mais de 4 milhões de doses para controlar um surto em um país", admite a OMS.

    A organização recorda que até meados de junho, quase 18 milhões de doses da vacina contra a febre amarela foram distribuídas para campanhas de emergência em Angola, RDCongo (2,2 milhões) e Uganda (700 mil).

    Mais:

    OMS: risco de contrair zika é o mesmo com ou sem Olimpíada
    El Salvador confirma primeiro caso de microcefalia associada ao zika vírus
    Com 87% de redução dos casos, MS diz que Rio tem risco mínimo de zika durante os Jogos
    Tags:
    febre amarela, vacina, OMS, Angola
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik