08:01 15 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Vinicio Montoya e a nave espacial Soyuz

    Vinicio Montoya de León: o primeiro cosmonauta da Guatemala

    © Foto: Vinicio Montoya
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    220

    Vinicio Montoya de León, de 49 anos, cidadão da Guatemala, se tornará o primeiro representante da América Central a visitar o espaço, o que acontecerá em 2019. A agência Sputnik conversou com o cosmonauta.

    O voo histórico se tornou possível com a ajuda do ministro das Relações Exteriores da Rússia Sergei Lavrov. Em maio de 2015, durante a visita à Guatemala ele prometeu estudar o pedido da Guatemala de treinamento do seu primeiro cosmonauta no Centro russo de Treinamento de Cosmonautas.

    Se tratou de Vinicio Montoya, estomatologista que se quase se havia tornado candidato a astronauta da Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (NASA). Um ano depois, ele chegou a Moscou a convite da agência espacial russa Roscosmos e visitou o Centro de Treinamento de Cosmonautas.

    Vinicio Montoya com dois cosmonautas russos
    © Foto: Vinicio Montoya
    Vinicio Montoya com dois cosmonautas russos

    O longo caminho para o espaço

    “Durante um longo período eu vivi de forma bastante desordenada. Mas depois de ter estado envolvido em  um acidente, isso me forçou a rever a minha imagem da vida.  Eu percebi o que no mundo existe só uma coisa que não se pode comprar- a vida. Foi então que eu decidi vivê-la de modo mais interessante” comunica Montoya.

    O seu primeiro êxito foi a subida do monte Evereste até à altitude de 6 quilômetros. Depois ele fez uma  lista de desejos – saltar de paraquedas, mergulhar, trabalhar com bombeiro e muitos outros. Muitos destes desejos já estão realizados.

    Numa altura, a empresa que tinha o apoiado fez-lhe uma proposta de participar no programa de treinamento de astronautas, organizado por uma empresa privada norte-americana no âmbito do programa de voo suborbital.

    Vinicio Montoya (ao centro) com membros da Agência Espacial Russa e do Centro de Treinamento de Cosmonautas Yury Gagarin
    © Foto: Vinicio Montoya
    Vinicio Montoya (ao centro) com membros da Agência Espacial Russa e do Centro de Treinamento de Cosmonautas Yury Gagarin

    Candidato a astronauta

    Este programa deu-lhe a possibilidade de se tornar cosmonauta da NASA, porque ele passou com sucesso todos os testes de qualificação para obter este estatuto.

    “O primeiro teste foi o voo num avião a jato. Foi examinada a possibilidade de desmaiar e lidar com o enjoo durante o comando de um avião a jato a uma velocidade de 1000 km/hora”, lembra Vinicio.

    Depois ele passou os testes na centrífuga e muitos outros. Em resultado, ele foi autorizado a continuar o treinamento na NASA, mas foi dito a ele que “era necessário se naturalizar nos EUA”.

    Segundo as normas norte-americanas, os estrangeiros podem passar o programa de treinamento de astronautas só em nome da sua agência espacial nacional. Se o país não têm tal agência, eles se devem deixar a cidadania atual e se naturalizar nos EUA.

    Esta escolha foi muito difícil para Montoya. Ele não conseguiu trocar a sua pátria.

    Após recusar a proposta ele regressou para a Guatemala e começou a buscar outras variantes.

    Vinicio Montoya e o embaixador da Guatemala na Rússia, Herbert Estuardo Meneses Coronado, (ambos ao centro)
    © Foto: Vinicio Montoya
    Vinicio Montoya e o embaixador da Guatemala na Rússia, Herbert Estuardo Meneses Coronado, (ambos ao centro)

    "Fale com os russos"

    A decisão foi aconselhada por Mamoru Mori, o primeiro astronauta japonês profissional, que voou para o espaço em 1992. Durante sua visita à capital da Guatemala, Montoya conseguiu se encontrar com ele e contar a sua história.

    "Perguntei-lhe o que podia fazer. Ele disse: ‘Fale com os russos. A filosofia dos russos nos problemas do espaço é muito aberta’", lembra Montoya a resposta do astronauta japonês.
    Depois de conversa com Mori, Vinicio andou de porta em porta em várias organizações e, finalmente, conseguiu relatar a ideia para o governo da Guatemala, que apoiou a iniciativa e fez um pedido formal por ocasião da visita de Sergey Lavrov. O ministro russo apoiou a ideia e deu os passos necessários para o seu desenvolvimento.

    Vinicio Montoya no interior da nave espacial Soyuz
    © Foto: Vinicio Montoya
    Vinicio Montoya no interior da nave espacial Soyuz

    Viagem para Moscou

    Após a receber o convite da empresa Roscosmos, ele viajou para a Rússia com a sua esposa e seu filho.

    O momento mais importante da sua viagem foi o encontro com o chefe do Centro de Treinamento de Cosmonautas Yuri Gagarin.

    “Eu lhe mostrei o meu programa ‘Expedição Espacial da Guatemala’, Este projeto tem objetivos históricos, tecnológicos e científicos, excedendo as fronteiras de um país e abarcando toda a América Central. Nossa região é uma das mais sujeitas às alterações climáticas e nós queremos contatar mais com o mundo“, conta ele.

    No Centro de Treinamento de Cosmonautas ele visitou a nave espacial Soyuz, tomou conhecimentos das outras naves espaciais  e falou com dois cosmonautas russos participantes da quinquagésima primeira expedição espacial para Estação Espacial Internacional.

    “Nos discutimos tudo e a sua reação foi muito positiva e amigável; um deles disse que seria ótimo participar na expedição todos juntos” brinca ele.

    Vinicio Montoya no Centro de Treinamento de Cosmonautas Yury Gagarin
    © Foto: Vinicio Montoya
    Vinicio Montoya no Centro de Treinamento de Cosmonautas Yury Gagarin

    Passos imediatos

    "Agora eu preciso terminar a formação. Felizmente, a minha formação anterior foi creditada e, assim, a formação inicial leva 11 semanas em vez de um ano e meio", disse Vinicio.
    O candidato a cosmonautas é otimista sobre o futuro, apesar de entender que é preciso ser paciente: "O nosso plano leva pelo menos três anos. No período até 2018 não há vagas nas expedições para órbita".

    Vinicio Montoya no simulador
    © Foto: Vinicio Montoya
    Vinicio Montoya no simulador

    Espaço e filosofia

    “Eu acredito que o espaço faz desaparecer os limites. As questões geopolíticas, de que se fala muito na Terra, no espaço perdem seu significado. Espero que as lições do espaço vão nos ajudar aqui, na Terra", diz Montoya, falando sobre a importância dos programas espaciais.

    A Guatemala está muito grata à Rússia pelo convite para treinar no Centro Yury Gagarin, diz Vinicio.

    "Somos um país que tem de olhar em frente. Vivemos durante muito tempo olhando para o passado, tivemos períodos de conflito na história, mas agora temos de olhar para frente, para o bem comum", diz Montoya.

    Mais:

    NASA disposta a competir com a Rússia e Europa no espaço
    Militares dos EUA querem corrida armamentista no espaço para aumentar orçamento
    Tags:
    espaço, cosmonauta, Roscosmos, Yuri Gagarin, Rússia, Guatemala
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik