08:23 24 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    3151
    Nos siga no

    Uma equipe de pesquisadores brasileiros descobriu recentemente um gigantesco recife de corais na foz do rio Amazonas, na fronteira da Guiana Francesa com os estados do Amapá e Pará, em uma região que, até pouco tempo, se acreditava não ser propícia para esse tipo de ecossistema.

    A descoberta, publicada na revista Science Advances, foi feita por um grupo de cientistas liderados por professores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF). O recife, com cerca de 9.500 km², entre 30 e 120 metros de profundidade, abriga uma série de espécies variadas, bem diferentes das encontradas em outras áreas.

    De acordo com o Gizmodo, essa estrutura encontrada na região onde a água do rio Amazonas se encontra com a do oceano Atlântico é conhecida como recife biogênico, "um conjunto de animais, plantas e micróbios que vivem nas profundezas e mineralizam esqueletos de calcário ou sílica". Em entrevista ao site, o oceanógrafo Fabiano Thompson, da UFRJ, explica que esse tipo de recife vem sendo encontrado com mais frequência nos últimos anos, mas o da foz do Amazonas possui características especiais. 

    “Este é o primeiro recife quimiossintético que usa minerais – como amônia e enxofre – para sustentar o recife, em vez de luz e produção primária”, diz o especialista, citado pelo Gizmodo. “Isso poderia tornar o sistema bastante único”.

    Mais:

    Peru declara estado de emergência na Amazônia após vazamentos de petróleo
    Cientistas descobrem lendário rio que ferve suas vítimas no coração da Amazônia
    Tags:
    recife, Gizmodo, Science Advances, UENF, UFRJ, Fabiano Thompson, Guiana Francesa, Amapá, Pará, Amazonas, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar