10:13 19 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    O robô de combate

    Conheça o 'mulo mecânico': primeiras fotos do robô de combate russo

    © Sputnik/ Sergey Mamontov
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    155606522

    As primeiras fotos do avançado robô russo de combate surgiram no Twitter. Este robô biomórfico vai andar de quatro patasm como um animal, e estar equipado com uma metralhadora e mísseis antitanques guiadas.

    Igor Korotchenko, redator-chefe da revista russa Natsionalnaya Oborona (Defesa Nacional), publicou as primeiras fotos de avançado robô de combate biomórfico da Rússia na sua página no Twitter. Ele se parece com um mulo.

    "O mulo robô foi equipado com metralhadoras e lançadores de granadas", é escrito neste tweet.

    A publicação veio algumas semanas depois de foi comunicado que o trabalho está em pleno na Rússia para criar um robô biomórfico único de combate que seja capaz andar nas quatro "pernas" e seja armado com uma metralhadora e mísseis antitanques guiadas.

    Os relatórios disseram que agora tal sistema de robô é elaborado para descobrimento, transportação de armas e munição, bem como para detecção de campos de minas e mesmo armas. Alem disso, os relatórios iniciais disseram que este robô seja capaz de evacuar os mortos e feridos dos campos de batalha.

    O robô também será capaz de se deslocar em superfícies de difícil acesso, incluindo a areia de 10 centímetros de profundidade, a vegetação até um metro de altura, neve e poças de 40 cm de profundidade, bem como as geleiras e terreno montanhoso.

    Espera-se que o robô, que pesa 400 kg, se desloque à velocidade de 15 km por hora no terreno plano, e 10 km nas superfícies pouco acessíveis. Os testes deste sistema estão previstos para o ano de 2019.

    Mais:

    Chineses desenvolvem ‘Mulher Maravilha’, um robô que sabe pensar
    Celular dançante: Japão apresenta primeiro híbrido de celular e robô
    Primeiro robô-monge já está pregando em templo chinês
    Tags:
    robô de combate, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik