03:02 25 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Tratamento russo está sendo considerado mais eficaz que os análogos ocidentais

    Rússia cria novo tratamento contra o câncer

    © flickr.com / WHO
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    12221

    Cientistas russos criaram um novo medicamento contra o câncer, que está sendo considerado mais eficaz e mais promissor do que os seus análogos ocidentais, segundo um relatório da empresa Biocad divulgado pela imprensa russa.

    Um membro da equipe de pesquisa trabalhando com o equipamento experimental
    © Foto : Serviço de imprensa da UFEO
    O fármaco, que já foi testado em animais, está sendo preparado para estudos clínicos com humanos. Já na primeira parte dos testes, candidatos de diversas partes do mundo serão analisados. A previsão é a de que a inovadora terapia chegue ao mercado russo em 2018 ou 2019. 

    De acordo com os pesquisadores, o novo medicamento age estimulando as forças do organismo para a luta contra o câncer. O tratamento, que se baseia em anticorpos monoclonais, bloqueia a interação das proteínas PD-1 e PD-L1, que faz com que as células cancerosas se pareçam com as normais. Com a neutralização das PD-1, o organismo torna-se capaz de detectar as células cancerosas e destruí-las. Ao contrário da quimioterapia, essa abordagem não provoca destruição do tecido saudável. 

    Atualmente, existem apenas dois medicamentos similares ao russo. Lamentavelmente, nenhum deles está disponível na Rússia, uma vez que as fabricantes, Merck & Co e Bristol-Myers Squibb, não possuem licença no país. No entanto, de acordo com as análises realizadas até o momento, o novo remédio é mais eficaz do que os já existentes. 

    Mais:

    Brasil usará remédios russos para combater câncer
    Sensor russo capaz de descobrir câncer e AIDS poderá ser instalado em smartphones
    Cientistas brasileiros criam remédio contra câncer
    Cientistas brasileiros fazem remédio contra o câncer a partir da saliva de carrapato
    Cuba fornecerá vacinas contra o câncer para os Estados Unidos
    Mortes por câncer deverão ser quase nulas em 2050
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik