05:07 21 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Autoridades da Jordânia destacaram confiabilidade e eficiência dos produtos da Rosatom (Росатом, em russo)

    Estatal russa apresenta tecnologias nucleares únicas no Brasil

    © Sputnik / Pavel Lisitsyn
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    3421

    Na Universidade Federal do Rio de Janeiro finalizou a Semana da Energia Atômica, que ocorreu de 9 a 13 de novembro.

    Na Semana da Energia Atômica participaram o reitor da UFRJ, Roberto Lehrer, o coordenador da engenharia nuclear Alessandro Gonçalves da Cruz, o ex-presidente da Eletrobrás Luis Luís Pinghelli Rosa, o vice-presidente da Associação Brasileira de Energia Nuclear Marcelo Gomes e o diretor de planejamento, gestão e meio ambiente da Eletronuclear, Leonam Guimarães. Os participantes discutiram a evolução tecnológica dos reatores nucleares e a matriz energética do Brasil.

    Em 10 de novembro, o vice-presidente da empresa russa Rosatom Ivan Dymov apresentou uma comunicação sobre as oportunidades de aplicar a experiência da estatal Rosatom no mercado da América Latina. Segundo ele, além das capacidades de construir usinas nucleares, a companhia tem tecnologias em tais campos como a medicina nuclear e a agricultura, onde as tecnologias nucleares podem substituir os pesticidas usados para conservar os produtos. 

    Uma outra direção da cooperação poderia ser o fornecimento de isótopos, que são cruciais para identificação e tratamento do câncer. Atualmente a Rosatom fornece isótopos à Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN).

    Além disso, Ivan Dybov frisou que a companhia está interessada em fornecer combustível para os reatores nucleares na América Latina. 

    «Podemos fornecer o combustível mesmo que o reator não tenha sido desenhado na Rússia», adicionou o representante russo.

    Um outro tema abordado foi a construção do reator nuclear de pesquisas científicas. Um mês atrás, a Rosatom e a Bolívia assinaram um memorando que poderá tornar o país latino-americano um dos primeiros países na região a possuir um equipamento poderosíssimo para realizar investigações na esfera das tecnologias nucleares.

    A segunda intervenção do vice-presidente da companhia russa foi dedicada à preparação de especialistas para a indústria nuclear. Ivan Dybov falou do sistema existente na companhia e destacou a cooperação com o Instituto da Engenharia Física de Moscou (MIFI).

    No âmbito desta cooperação, os estudantes estrangeiros, incluindo do Brasil, podem participar do programa de preparação de especialistas na área atômica.

    Mais:

    Rússia e China planejam desenvolver mercado global de energia nuclear
    Temer: Rússia deve participar do Plano de Investimentos em Logística no Brasil
    Tags:
    reator nuclear, energia atômica, Rosatom, Rússia, Brasil, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik