07:40 25 Maio 2017
Ouvir Rádio
    Yevgeny Kaspersky

    Companhia russa Kaspersky Lab deteta vírus espião americano

    © Sputnik/ Sergei Guneev
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    12422182

    A companhia russa Kaspersky Lab, que trabalha na área de segurança cibernética, revelou que nos discos rígidos de vários fabricantes foi pré-instalado um software de espionagem, informa o jornal britânico The Financial Times.

    O vírus está escondido nas áreas dos discos rígidos protegidas de remoção e formatação. O Kaspersky Lab informa que o vírus infetou os produtos de tais companhias como a Toshiba, Western Digital, Seagate, Samsung, IBM e muitos outros em 30 países. Em primeiro lugar na lista estão o Irã, Rússia, Paquistão, Afeganistão, China, Mali, Síria, Iêmen e Argélia.

    O alvo da vigilância eram agências governamentais e militares, empresas de telecomunicações e de energia, bancos, centros de pesquisa nuclear, mídias e ativistas islâmicos.

    O software foi desenvolvido pela rede de hackers, que no relatório de Kaspersky Lab é chamado The Equation Group. A organização atua há 20 anos e, como observado no relatório, tem a tecnologia inigualável no campo da espionagem cibernética. Suas ações afetaram mais de 500 organizações.

    De acordo com Kaspersky Lab, The Equation Group pode ter uma conexão com os criadores do worm Stuxnet — um vírus que em 2010 atacou os computadores de instalações nucleares do Irã e que provavelmente foi criado pela Agência de Segurança Nacional (NSA), dos Estados Unidos, juntamente com Israel.

    O Kaspersky Lab não acusa diretamente a NSA na criação deste vírus, no entanto, sugere que os Estados Unidos podem estar envolvidos em infeção de discos rígidos.

    Mais:

    Obama pede à Alemanha benefício da dúvida sobre caso de espionagem
    Segurança econômica e cibernética serão temas-chave da agenda do BRICS em 2015
    Tags:
    computador, vírus, espionagem, Agência de Segurança Nacional, The Equation Group, Kaspersky Lab, Irã, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik