21:13 23 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Por ,
    1059
    Nos siga no

    A Sputnik Brasil conversou com a doutora em Ciência Política Graziella Testa (USP), para compreender as intenções de ambos os partidos nessa fusão e se isso pode influenciar os trabalhos no Congresso.

    Encaminhada para os ajustes finais, a fusão do partido Democratas (DEM) e do Partido Social Liberal (PSL) vai formar a maior bancada da Câmara dos Deputados, um movimento que precipita mudanças eleitorais e aspira a ser a "terceira via" nas eleições de 2022.

    Contudo, apesar do avanço na mesa de negociações, a fusão entre os dois partidos ainda sofre com impasses pelo controle de diretórios em pelo menos nove estados, principalmente no Rio de Janeiro, São Paulo, Maranhão e Paraíba.

    Em 2021, o DEM saiu das eleições municipais com um bom desempenho e, apesar de divisões internas no início deste ano, o partido deu sinais de que estava retomando seu rumo após um longo período de declínio.

    Interesses por trás da fusão do PSL e DEM

    Em meio a esta situação, a doutora Graziella Testa (USP), professora do Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa e da Escola de Políticas Públicas e Governo da Fundação Getúlio Vargas, comenta que o interesse do DEM nesta fusão é, sobretudo, uma questão de recurso, já que o PSL hoje possui a maior bancada na Câmara dos Deputados, o que significa que ele tem também o maior fundo partidário e maior fundo eleitoral.

    "Tendo em vista as eleições do ano que vem, este recurso vai fazer muita diferença e o DEM sabe disso. Então, é sobretudo, uma questão de recursos, mas também é uma questão de identificação ideológica até certo ponto, que certamente foi facilitada, inclusive, por esses rachas internos do início do ano", explicou.

    O PSL, por sua vez, pode estar tentando se distanciar do presidente, uma vez que o novo partido descartou a possibilidade de usar o número 17, por estar associado a Bolsonaro.

    Comentando esta alegação, Graziella Testa afirma que isso ainda é muito "nebuloso", já que o PSL hoje está rachado em dois, sendo metade governo e metade oposição.

    "Se a fusão ocorrer de fato, a gente vai ver diversas mudanças de partido em março do ano que vem, que é quando vai ter a janela partidária, ou seja, quando os parlamentares vão poder escolher sair ou ficar no partido", observou.

    Já sobre os interesses do PSL nesta fusão, Graziella Testa acredita que o PSL esteja interessado nesta fusão sobretudo pela qualidade de expertise do Democratas de conseguir votos capitalizados, ou seja, votos em municípios menores.

    De acordo com a especialista, o PSL é um partido relativamente novo, particularmente em conseguir se capitalizar, e o Democratas teve sucesso justamente nesta capitalização.

    "O PSL está buscando essa expertise de transformar recurso em voto e de capitalizar", afirmou.

    Janela partidária

    Em março será aberta a chamada "janela partidária", quando os parlamentares terão o prazo de 30 dias para troca de legenda de deputados sem perda de mandato.

    Com isso, Graziella Testa acredita que haverá muito cálculo eleitoral por parte dos parlamentares para tomar essas decisões, e este cálculo vai passar pela quantidade de apoio que o presidente Jair Bolsonaro vai ter nessa altura.

    "Mesmo que [Bolsonaro] perca o apoio, alguns parlamentares vão continuar fiéis e vão ser parte de um grupo que vai seguir esse bolsonarismo", observou.

    Contudo, é difícil dizer se a janela partidária vai ter a ver com a insatisfação com a fusão ou com o cálculo de imprevisibilidade de ser reeleito ou não, por parte desses parlamentares.

    Além disso, a especialista afirmou que também haverá um critério regional, que será importante, já que, por exemplo, os parlamentares do PSL do Nordeste, que tendem cada vez mais a rejeitar Bolsonaro, dificilmente vão querer se aproximar do presidente. Porém, naquelas regiões que apoiam o presidente, os parlamentares devem se manter próximos de Bolsonaro, buscando o partido ou o grupo que o elegeu.

    O PSL, como se sabe, tem muitos deputados associados a Bolsonaro, contudo segue sendo uma incógnita se eles terão espaço no novo partido.

    Apesar desta incógnita, Graziella Testa comenta que há uma chance de que este partido não vá tomar uma posição em relação à chefia do Executivo.

    "[O novo partido] vai assumir um comportamento mais próximo, por exemplo, ao MDB, ou a essa turma que nunca teve grandes pretensões de Executivo, mas sempre teve uma boa parcela do Legislativo. Nesse caso, seria possível esta convivência dos deputados bolsonaristas dentro deste possível novo partido", explicou.

    Perfil ideológico do partido

    Sobre o perfil ideológico, Graziella Testa explica que, como será relativamente grande, o possível novo partido terá grande variedade ideológica, ao contrário do que acontece hoje no PSL.

    "Quanto maior o partido, maior é a diversidade de ideias dentro do partido. Então, acredito que dentro deste partido vai haver diversas vertentes ideológicas, desde uma direita mais próxima a este liberalismo econômico, uma direita liberal, passando por uma direita ligada diretamente a religiosos, e sobretudo, pentecostais e neopentecostais, até uma direita mais armamentista, mais ligada a estas agendas mais recentes e mais próximas de uma direita do interior dos EUA", afirma a especialista.

    Desta forma, é provável que isso vá conviver dentro deste novo partido e, provavelmente, nunca vá ser uma coisa completamente resolvida, "não vai ser um partido ideologicamente muito claro", justamente por conta de seu tamanho.

    "A tendência é que, quanto mais clara e mais específica a ideologia do partido, menor ele é. A tendência é que este partido tenha uma turma com preocupação ideológica menor, e que tenha muito acesso e poder regional, sem uma ideologia tão central", declarou.

    Novo partido pode influenciar os trabalhos no Congresso?

    O novo partido terá a maior bancada na Câmara dos Deputados, com 81 representantes. Enquanto no Senado, o novo partido terá sete representantes, número equivalente ao do PSDB.

    Sobre o novo partido e a bancada na Câmara dos Deputados, a especialista ressalta que esta fusão não será um processo rápido ou fácil e, depois da fusão, este número de deputados não será o mesmo.

    "Essa representação na Câmara dos Deputados, vai ser uma representação certamente de peso e, vai influenciar muito o processo e os trabalhos no Congresso Nacional", explicou.

    Contudo, é preciso descobrir se eles terão uma agenda própria, pois um partido que é grande, mas não tem uma agenda própria, não tem uma característica muito clara. Não obstante, por ser grande, será importante para o Executivo, ou seja, para Bolsonaro neste momento.

    A despeito de ser um partido ideologicamente próximo do de Bolsonaro, o presidente vai seguir construindo os acordos por meio de emendas parlamentares, pois, se ele continuar se enfraquecendo eleitoralmente, como está, ele vai seguir perdendo apoio do Congresso.

    "Isso porque o presidente Jair Bolsonaro não tem clara qualquer agenda de política pública, ou seja, se ele tivesse de forma clara a agenda de política pública e estivesse aplicando isso, se a gente estivesse vendo toda essa ideologia, que escutamos ele falar, na prática política, certamente o apoio deste partido novo seria importante, mas como a gente não vê o atual Executivo tendo um particular interesse em aplicar a política pública, eu não acho que esse apoio desse partido, ainda que ideologicamente próximo a ele, vá ser evidente", afirmou.

    A fusão DEM-PSL impactaria as opções partidárias de Bolsonaro?

    Com relação à fusão do Democratas com o PSL e como isso vai impactar as decisões de Bolsonaro, a especialista declara que ficaria muito surpresa se este partido escolhesse abraçar a candidatura de Jair Bolsonaro.

    "Primeiro, porque o partido tem mais a oferecer do que a receber com o acolhimento do presidente Jair Bolsonaro, por conta da grande bancada e da grande quantidade de recursos que ele vai ter, e segundo, é como o critério regional vai impactar nisso", explicou.

    Graziella Testa recorda que, hoje, uma das principais lideranças do Democratas é o ex-governador ACM Neto, e é uma incógnita a possibilidade de o ACM Neto aceitar abraçar uma candidatura do presidente Jair Bolsonaro na Bahia, que tem uma forte rejeição de Bolsonaro.

    "Acredito que este partido tenha opções que são eleitoralmente menos danosas a ele, do que o presidente Jair Bolsonaro. Ainda que o presidente Jair Bolsonaro traga uma fatia do eleitorado razoável, ele traz uma grande rejeição também. Então, acho que isso vai entrar no cálculo, e acho muito difícil que esse partido novo abrace a candidatura do presidente Jair Bolsonaro, mas nada é impossível na política", concluiu.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Lista dos mais influentes: Bolsonaro está 'no contrapé do cenário internacional', avalia professor
    Relator da CPI da Covid vai pedir indiciamento de Bolsonaro por prevaricação
    Está 'desorganizado': Mourão defende projeto de Bolsonaro que dificultaria combate a 'fake news'
    Tags:
    partidos, partidos políticos, política, geopolítica, Brasil, Câmara dos Deputados, eleições
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar