21:37 11 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil no início de abril de 2021 (87)
    5711
    Nos siga no

    Na madrugada do domingo (4), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Kassio Nunes, e a Advocacia-Geral da União (AGU), intimaram Alexandre Kalil (PSD), prefeito da capital mineira, Belo Horizonte, para que igrejas fossem abertas.

    Conforme publicou o portal G1, a intimação da AGU e do ministro veio após uma decisão liminar da noite anterior, proferida por Kassio Nunes. Na decisão, o magistrado atende a um pedido da Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure), permitindo celebrações religiosas presenciais, tais como cultos e missas.

    O prefeito de Belo Horizonte, no entanto, reagiu ainda no sábado (3) afirmando que acatará apenas a decisão do plenário do STF, que garantiu autonomia aos prefeitos e governadores para determinar medidas de restrição social. As celebrações religiosas presenciais na capital mineira foram proibidas para diminuir a transmissão da COVID-19.

    ​A decisão citada por Kalil costuma ser distorcida por apoiadores do presidente brasileiro Jair Bolsonaro (sem partido), que apontam que o STF tirou a autonomia do governo federal para agir na pandemia. Na verdade, a decisão apenas garante que prefeitos e governadores também possam agir para conter a doença.

    Alexandre Kalil concede entrevista coletiva após ser reeleito prefeito de Belo Horizonte
    © Folhapress / Gledston Tavares /FramePhoto
    Alexandre Kalil concede entrevista coletiva após ser reeleito prefeito de Belo Horizonte

    Em reação à decisão de Kalil, a AGU e o ministro Kassio Nunes intimaram ainda a Polícia Federal em Minas Gerais para garantir o cumprimento da liminar, que apesar de já estar em vigor precisará ser referendada pelo colegiado do STF.

    Conforme publicou o jornal O Estado de São Paulo, o também ministro do STF, Marco Aurélio, criticou a decisão do colega, que chamou de "novato". "Pobre Supremo, pobre Judiciário", disse o ministro ao jornal neste domingo (4), comentando a decisão de Kassio Nunes. 

    O partido Cidadania entrou com um pedido ao presidente do STF, Luiz Fux, para derrubar a decisão de Kassio Nunes, afirmando que a liminar cria um "verdadeiro privilégio odioso à liberdade de culto".

    Já o ex-prefeito de Campinas, Jonas Donizette, presidente da Frente Nacional de Prefeitos, também veio a público pedir para que Fux se manifeste sobre a decisão e faça um esclarecimento sobre a liminar de Kassio Nunes frente à decisão anterior do plenário do STF.

    ​​Em diversos estados, as celebrações religiosas presenciais estão proibidas para evitar a disseminação do novo coronavírus, uma vez que causam aglomerações em locais fechados, o tipo de situação na qual o vírus se torna mais transmissível pela falta de ventilação e proximidade entre as pessoas.

    O Brasil vive atualmente a pior fase da pandemia da COVID-19, com a média diária de mortos alcançando três mil óbitos na última semana. Mais de 330 mil brasileiros morreram da doença desde o início da crise sanitária, sendo que quase 67 mil morreram apenas no último mês.

    Tema:
    COVID-19 no Brasil no início de abril de 2021 (87)

    Mais:

    Brasil passa por 'situação muito séria' da pandemia da COVID-19, alerta OMS
    Ônibus cai de viaduto na BR-381 em Minas Gerais; bombeiros confirmam 17 mortos e 26 feridos (VÍDEO)
    Plenário do Senado aprova indicação de Kassio Marques para o Supremo Tribunal Federal
    Bolsonaro anuncia que vai condecorar Kassio Nunes Marques com a mais alta honraria do Exército
    Tags:
    AGU, COVID-19, Belo Horizonte, Kassio Nunes Marques
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar