10:53 11 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 34
    Nos siga no

    Início da relação entre o governo de Joe Biden com a equipe do presidente brasileiro Jair Bolsonaro tem sido menos tensa do que era esperado com os dois países buscando agendas com pontos de convergência, segundo especialista ouvida pela Sputnik Brasil.

    O embaixador do Brasil nos Estados Unidos, Nestor Forster, disse em entrevista à DW Brasil que notou uma mudança de "estilo" na relação entre Washington e Brasília.

    "A mudança que se nota é de estilo, de ênfase, mas a relação continua sobre um leito mais profundo que une o Brasil e os Estados Unidos. O que mudou? O governo Biden veio com uma agenda muito firme na área de meio ambiente e mudança do clima", declarou Forster.

    Para Denilde Holzhacker, professora de Relações Internacionais da Escola Superior de Propaganda e Marketing de São Paulo (ESPM-SP), "há uma tentativa de diálogo" entre os dois países.

    "A meu ver, é um início que poderia ser mais tenso, tem aí uma sinalização de ambos os lados de iniciar esse processo, mas falta uma clareza de qual é a agenda que vai ser colocada e como vai ser a reação pelo lado brasileiro que tem sido muito resistente e muito refratário à qualquer pressão quando se fala de Amazônia", declarou.

    Durante a campanha, Joe Biden prometeu que iria pressionar o Brasil para que o país reduza os índices de desmatamento e proteja o meio ambiente.

    Holzhacker comentou que o "problema da relação entre o Brasil e os Estados Unidos nunca foi a dificuldade em ter uma agenda de diálogo técnica".

    O embaixador do Brasil junto aos Estados Unidos da América, Nestor José Forster Junior, durante sessão no Senado Federal.
    © Foto / Geraldo Magela/Agência Senado
    O embaixador do Brasil junto aos Estados Unidos da América, Nestor José Forster Junior, durante sessão no Senado Federal.

    Para a especialista, os dois presidentes sofrerão pressões políticas ao sinalizarem uma aproximação.

    "[A questão é] como, no caso do Biden, essa aproximação com o Brasil vai ser vista pelos seus interlocutores internos, especialmente [pelos democratas] que já se posicionaram contra o governo Bolsonaro", explicou.

    Em janeiro deste ano, o ministro das Relações Exteriores brasileiro, Ernesto Araújo, afirmou, durante um painel do Fórum Econômico Mundial, que os Estados Unidos são a "superpotência da liberdade" e falou em trabalhar em parceria com o novo presidente americano, Joe Biden, para preservar a democracia.

    "Ainda é o início dessa aproximação e claramente o governo americano tem posições sobre a questão ambiental. Enquanto avança essa negociação a pergunta é: qual vai ser a posição do governo brasileiro quando houver pressões mais diretas sobre o controle do desmatamento na Amazônia, sobre a discussão em termos de preservação?", indagou Holzhacker.

    Segundo a professora da ESPM-SP, mesmo que haja divergências políticas, há espaços em comum que podem ser explorados pelos dois países.

    "A agenda econômica é importante para os EUA, a agenda ambiental é importante, ter aliados na contenção de uma maior participação da China, do peso chinês na região, é também parte do objetivo dos Estados Unidos. Tem uma série de fatores que fazem com que eles busquem não acirrar ainda mais o relacionamento, mas de buscar essas pontes", disse.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tags:
    integração bilateral, cooperação bilateral, reuniões bilaterais, relações bilaterais, Joe Biden, Jair Bolsonaro, Estados Unidos, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar