05:42 25 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Coronavírus no Brasil no início de março de 2021 (92)
    271
    Nos siga no

    O Ministério da Saúde enviou uma carta ao embaixador da China nesta segunda-feira (8) em que cita o risco de falta de doses de vacinas no Brasil e que a imunização no país pode ser interrompida.

    A pasta pediu ajuda do governo chinês para "averiguar" se a farmacêutica Sinopharm tem a disponibilidade de 30 milhões de doses para fornecer ao Brasil.

    A carta foi assinada pelo secretário-executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, e enviada ao embaixador da China no Brasil, Yang Wanming. As informações foram publicadas pelo portal G1.

    "A campanha nacional de imunização, contudo, corre risco de ser interrompida por falta de doses, dada a escassez da oferta internacional. Por conta disso, o Ministério da Saúde vem buscando estabelecer contato com novos fornecedores, em especial a Sinopharm, cuja vacina é de comprovada eficácia contra a COVID-19", escreveu.
    Em São Paulo, o Embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, participa de coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes.
    © Folhapress / Bruno Brito/Agência F8
    Em São Paulo, o Embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, participa de coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes.

    O secretário ainda cita o impacto da variante P.1, encontrada no Amazonas, e faz o pedido de ajuda para o fornecimento de doses.

    "Nesse contexto, muito agradeceria os bons ofícios de Vossa Excelência para averiguar a possibilidade de a Sinopharm fornecer 30 milhões de doses da vacina BBIBP-CorV, em cronograma e preço a serem acordados, se possível, ainda para o primeiro semestre de 2021, com possibilidade de quantidades adicionais para o segundo semestre deste ano", completou.

    Atualmente, o Brasil aplica a CoronaVac, desenvolvida pela Sinovac, que é fabricada no Brasil pelo Instituto Butantan.

    A vacina da Sinopharm, batizada de BBIBP-CorV, não possui autorização de uso emergencial nem definitivo pela Agência Brasileira de Vigilância Sanitária (Anvisa). Em dezembro do ano passado, a Sinopharm anunciou que a eficácia do imunizante é de 79,3%.

    Tema:
    Coronavírus no Brasil no início de março de 2021 (92)

    Mais:

    Turismo no Brasil revive incerteza diante de novas medidas de isolamento
    Bolsonaro: 'Existe algo a perder mais importante que a própria vida' (VÍDEO)
    Bolsonaro é o melhor adversário para Lula, mas 'recíproca não é verdadeira', diz cientista político
    Aécio Neves será o presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara
    Brasil registra 1.954 mortes em 24 horas por COVID-19 e país bate novo recorde
    Tags:
    COVID-19, Brasil, Ministério da Saúde, China, Embaixada da China, vacina, vacinação, imunização, imunizante
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar