18:22 25 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Coronavírus no Brasil no início de março de 2021 (92)
    141
    Nos siga no

    Em documento corrigido entregue ao STF, governo federal indica terceira data em que teria sido informado sobre a falta de oxigênio na cidade. O ministro Eduardo Pazuello está sendo investigado por omissão no caso.

    O governo federal alterou novamente a data em que teria sido notificado sobre o colapso de saúde em Manaus. Um documento oficial entregue ao Supremo Tribunal Federal (STF) foi corrigido e agora diz que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, só foi avisado sobre a urgência no dia 17 de janeiro, após a crise começar, conforme divulgou o portal G1.

    Inicialmente, o texto relatava que o ministro tomou conhecimento do problema no dia 8 de janeiro, através de um e-mail da White Martins, empresa responsável pelo abastecimento de oxigênio nos hospitais da cidade. Em uma entrevista, no dia 18 de janeiro, o próprio ministro confirmou a data.

    Ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, durante cerimônia de distribuição da CoronaVac, em São Paulo, 18 de janeiro de 2021
    © REUTERS / Carla Carniel
    Ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, durante cerimônia de distribuição da CoronaVac, em São Paulo, 18 de janeiro de 2021

    No último fim de semana, tornou-se público um depoimento de Pazuello à Polícia Federal no inquérito que investiga se o ministro foi omisso na crise do Amazonas. E no depoimento, Pazuello já havia apresentado uma nova data em que teria tomado conhecimento do colapso: 10 de janeiro.

    Ele disse ainda que o Ministério da Saúde não recebeu oficialmente o e-mail mencionado e que nunca teve contatos informais com a empresa.

    Porém, em novo ofício assinado pelo secretário-executivo da pasta, Elcio Franco, e enviado ao STF no domingo (28), o Ministério da Saúde confirma que o e-mail da White Martins chegou à pasta, mas no dia 17 de janeiro.

    A falta de oxigênio em Manaus matou 31 pessoas nos dias 14 e 15 de janeiro. Familiares de pacientes internados precisaram procurar e comprar respiradores por conta própria. Aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) levaram alguns equipamentos à cidade.

    Muitos pacientes tiveram que ser transferidos pelo governo do Amazonas para outras unidades da federação.

    Tema:
    Coronavírus no Brasil no início de março de 2021 (92)

    Mais:

    Com novo recorde na média móvel de mortes, Brasil chega a 255 mil óbitos por COVID-19
    Cientistas revelam causa da 'névoa cerebral' após COVID-19
    COVID-19: vacina da Pfizer pode ser menos eficaz em pessoas obesas, diz estudo
    Tags:
    COVID-19, pandemia, novo coronavírus, Manaus, Amazonas, Eduardo Pazuello, saúde, Ministro da Saúde, governo federal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar