05:04 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    2119
    Nos siga no

    A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (10) o projeto que prevê autonomia para o Banco Central (BC). O texto agora vai seguir para sanção do presidente Jair Bolsonaro.

    A iniciativa já foi aprovada pelo Senado e define que o presidente do Banco Central vai exercer um mandato de quatro anos, não coincidente com o do presidente da República. Segundo o projeto, a prioridade do Banco Central será assegurar a estabilidade dos preços.

    O placar da votação foi 339 a favor e 114 contrários. Os deputados rejeitaram sugestões de mudanças ao projeto.

    Com a proposta, a diretoria colegiada do Banco Central será composta por nove integrantes, incluindo o presidente do órgão. Os oito diretores terão mandatos que iniciarão de maneira escalonada.

    O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que a aprovação sinaliza para a garantia da estabilidade e da previsibilidade de todo sistema financeiro nacional.

    "É uma votação que está esperando há mais de 40 anos. Tivemos a sinalização da garantia da estabilidade e previsibilidade de todo sistema financeiro; e o gesto do presidente da República em abrir mão da nomeação do presidente do Banco Central [ajudou na aprovação]", disse, citado pela Agência Câmara.

    Já o deputado Ivan Valente (PSOL-SP) criticou o projeto e chamou a iniciativa de "bolsa banqueiro".

    "No momento em que o Brasil precisa discutir claramente as suas prioridades, que são o auxílio emergencial e a pandemia, nós estamos votando a autonomia do Banco Central", criticou, segundo publicou o jornal Folha de S.Paulo.

    Atualmente, o Banco Central é vinculado ao Ministério da Economia, sem ser subordinado à pasta.

    Com a aprovação do projeto, o BC se tornaria uma autarquia de natureza especial caracterizada pela "ausência de vinculação a Ministério, de tutela ou de subordinação hierárquica".

    Mais:

    Jornal divulga a lista de prioridades pedidas por Bolsonaro a Pacheco e Lira
    Analista: Bolsonaro promoveu Lira a 'primeiro-ministro' e terá que dividir poder com centrão
    Após vitória de Lira na Câmara, Bolsonaro promete editar decretos sobre armas
    Parece que Bolsonaro se deu conta de que não pode sair comprando brigas, avalia cientista político
    Brasil registra 1.357 mortes por COVID-19 em 24 horas e total de óbitos supera 234 mil
    Tags:
    inflação, preços, Ministério da Economia do Brasil, sistema financeiro, economia, autonomia, Banco Central, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar