11:04 21 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil contra coronavírus no início de fevereiro de 2021 (64)
    0223
    Nos siga no

    Necessidade de importação da China de insumos para vacinação, imunizantes e outros aparelhos mostraram como o país possui um papel de parque global na fabricação de produtos e evidenciou dependência global com relação à indústria chinesa, segundo especialista ouvido pela Sputnik Brasil.

    A Fiocruz recebeu neste sábado (6) o primeiro lote de matéria-prima para a produção brasileira da vacina contra COVID-19 desenvolvida pela AstraZeneca/Oxford. São 88 litros, suficientes para formular 2,8 milhões de doses.

    O Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) da vacina AstraZeneca/Oxford é produzido pelo laboratório Wuxi Biologics, localizado na cidade de Xangai, na China.

    Para Marcus Vinicius de Freitas, professor-visitante de Direito Internacional Público e de Relações Internacionais da Universidade de Relações Exteriores da China, sediada em Pequim, a crise sanitária gerada pela pandemia da COVID-19 deixou claro que a China desempenha um papel de uma espécie de parque industrial global.

    "O cenário da competitividade global da China teve um aspecto muito relevante em todas as áreas, e o quadro sanitário, a questão de máscaras, respiradores, aparelhos e equipamentos hospitalares ficou muito claro que a China conseguiu aquilo que nenhum país hoje em dia consegue alcançar, que é uma competitividade e qualidade", declarou.
    O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade e o diretor de Bio-Manguinhos, Maurício Zuma recebem o primeiro lote de Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) para a produção da vacina Covid-19, na sede da Fiocruz, no Rio de Janeiro.
    © Folhapress / Claudia Martini
    O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade e o diretor de Bio-Manguinhos, Maurício Zuma recebem o primeiro lote de Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) para a produção da vacina Covid-19, na sede da Fiocruz, no Rio de Janeiro.

    De acordo com relatório da Anvisa, publicado em outubro de 2020, 95% dos insumos usados para produção de remédios no Brasil vêm do exterior. A maior parte vem da Índia (37%) e da China (35%), que produz a matéria-prima das duas vacinas aprovadas para uso emergencial no Brasil.

    ​A Fiocruz esperava para dezembro de 2020 a chegada do IFA para começar a produzir doses da vacina de Oxford no Brasil, adiou a expectativa para janeiro deste ano e só viu os insumos aterrizarem no aeroporto do Rio de Janeiro neste sábado (6).

    Segundo Marcus Vinicius de Freitas, os atrasos e a necessidade de importação do IFA da China mostram uma dependência do Brasil e de outros países com relação ao país asiático.

    "O que a COVID-19 fez de fato foi trazer à luz, foi tornar mais evidente, essa situação que nós vimos do crescimento da dependência dos países com relação à China", afirmou.

    O especialista destaca dois aspectos para o sucesso do modelo chinês no comércio global.

    "A realidade é que os chineses têm duas vantagens competitivas muito importantes. Eles têm uma população enorme, e isso gera ganhos de escala que lhes permite produzir muito mais e mais barato e, em segundo lugar, eles criaram um parque logístico incomparável no mundo", disse.

    'Posições adotadas por Bolsonaro refletem uma visão retrógrada sobre a China'

    O presidente Jair Bolsonaro chegou a dizer que não compraria a vacina do Butantan e travou embates com o governador João Doria (PSDB), que liderou as negociações com a farmacêutica chinesa Sinovac.

    Além disso, integrantes do governo e o filho do presidente já criticaram o país asiático.

    ​Marcus Vinicius de Freitas disse que o governo Bolsonaro possui uma visão distorcida sobre a China.

    "As populações, mais do que ideologias, querem resultados palpáveis que melhorem a sua qualidade de vida, e as suas perspectivas quanto ao futuro. O governo atual estava querendo instituir um cenário global não amistoso à China por acreditarem que a China é aquilo que se aprendeu na escola na década de 50 e 60, é uma visão distorcida sobre a China. Essas visões distorcidas não são o melhor para o país", disse.

    As críticas ao governo chinês fizeram com que o Brasil sofresse consequências práticas na hora de receber os insumos importados, de acordo com o especialista.

    "Participar de iniciativas que menosprezem ou que queiram criar uma imagem negativa a respeito da China pode fazer com que o pedido que estivesse entre os primeiros a serem atendidos caia e passa a ser o último da fila", completou.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Brasil contra coronavírus no início de fevereiro de 2021 (64)

    Mais:

    China envia mensagem ao mundo com teste de interceptação 'defensiva', diz mídia
    General americano admite atraso do arsenal nuclear dos EUA se comparado ao de China e Rússia
    EUA cogitam tomar medidas contra golpe militar de Mianmar, diz Casa Branca
    Global Times, da China, alerta: Clubhouse não é um 'paraíso da liberdade de expressão'
    'Pobreza extrema pode ser ainda maior do que a verificada antes da pandemia', diz economista
    Tags:
    COVID-19, novo coronavírus, China, Brasil, vacina, vacinação, imunizante, imunização, dependência
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar