02:37 09 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil lidando contra COVID-19 no final de janeiro de 2021 (92)
    0 20
    Nos siga no

    O secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campêlo, afirmou nesta quinta-feira (28) que os casos de COVID-19 estão aumentando no interior do estado, que precisará de mais oxigênio. 

    No início de janeiro o sistema de saúde de Manaus entrou em colapso com a alta de internações em função do coronavírus. Com isso, faltou oxigênio para os pacientes e muitos acabaram morrendo. 

    Segundo relatório da Advocacia-Geral da União (AGU), o Ministério da Saúde sabia sobre a falta de oxigênio em Manaus desde 8 de janeiro, seis dias antes de o insumo se esgotar em vários hospitais.

    Campêlo fez o alerta em audiência virtual na Câmara dos Deputados para discutir a situação da pandemia no Amazonas. Nas últimas semanas, mais pacientes morreram por falta de oxigênio no interior do estado, com recorde de internações e enterros. 

    "Temos uma estimativa de que vamos precisar de mais oxigênio, porque no interior do Amazonas está crescendo a pandemia e o vírus está se espalhando de novo para o interior do Amazonas", afirmou Campêlo, segundo o portal G1. "Há uma preocupação grande porque a logística de oxigênio para o interior é mais complicada", acrescentou.

    Volume de oxigênio

    Para controlar a situação, alguns pacientes estão sendo transferidos para outros estados. Segundo o secretário, medidas alternativas, como a instalação de pequenas usinas de oxigênio, podem ser implementadas. 

    Campêlo explicou que 580 pacientes estão na fila por leitos no Amazonas, enquanto 100 esperam vaga na UTI. A demanda por oxigênio no estado é hoje de 80 mil metros cúbicos diários, capacidade que deveria ser aumentada para 120 mil metros cúbicos, de acordo com o assessor especial do Ministério da Saúde, Ridauto Lúcio Fernandes.

    "Para que nós tenhamos uma margem de segurança e possamos dar esse gargalo como removido, tenho que jogar essa quantidade de oxigênio em Manaus, tirá-la da casa dos 80 mil e jogá-la na casa dos 100, de preferência 120 mil metros cúbicos", calculou Fernandes.
    Tema:
    Brasil lidando contra COVID-19 no final de janeiro de 2021 (92)

    Mais:

    Brasil chega aos 9 milhões de casos confirmados de COVID-19 e 220 mil mortos pela doença
    Israel: 900 sobreviventes do Holocausto morreram por COVID-19 em 2020
    COVID-19: com falta de médicos, Portugal cogita 'exportar' doentes, mas brasileiros poderiam ajudar
    Tags:
    Ministério da Saúde, oxigênio, novo coronavírus, COVID-19, pandemia, Manaus, Amazonas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar