05:19 06 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil lidando contra COVID-19 no final de janeiro de 2021 (92)
    0 31
    Nos siga no

    O governador Wilson Lima afirmou neste sábado (23) que vai publicar um decreto, válido a partir de segunda-feira (25), para endurecer as restrições na circulação de pessoas no estado do Amazonas.

    Após muita pressão de entidades republicanas, como Ministério Público, e também da sociedade civil, o governador do Amazonas enfim decretou uma espécie de lockdown no estado. Com as determinações, a população só poderá sair para atividades essenciais, como idas ao supermercado e receber atendimento médico. As medidas serão válidas por dez dias, escreve o portal G1.

    Ao lado do governador, o secretário da Saúde do Amazonas, Marcellus Campêlo, explicou que as unidades de saúde estão com lotação acima do limite de capacidade e todos os prontos-socorros operam acima de 100% de taxa de ocupação. A situação não é melhor na rede privada, que está acima de 90% de ocupação.

    "Isso não significa cercear o direito de ir e vir, o cidadão pode sim sair da sua casa, mas ele só pode sair se houver extrema necessidade. Ele pode sair para ir ao supermercado, pode sair para ir à farmácia, em um caso de urgência e de emergência, pode sair, não há problema em relação a isso", afirmou o governador.

    Polícias Civil e Militar do Amazonas prendem 63 pessoas que assistiam a um jogo de futebol em bares abertos clandestinamente, em Manaus, no dia 21 de janeiro de 2021
    Polícias Civil e Militar do Amazonas prendem 63 pessoas que assistiam a um jogo de futebol em bares abertos clandestinamente, em Manaus
    De acordo com o decreto assinado por Wilson Lima, a partir de segunda-feira (25) o estado passará a ter as seguintes restrições: supermercados ficam abertos das 6h às 19h; farmácias, serviços de saúde, clínicas de emergência, atendimento a domicílio e saúde mental, poderão ficar abertos durante 24h; restaurantes, padarias e bares podem funcionar apenas em sistema de entregas, de 6h às 22h.

    A indústria no estado funcionará em turnos de 12 horas, com exceção das empresas que atendem o setor de alimentação, de farmácias e de itens para hospitais.

    "Essa é uma medida para que a gente possa diminuir aglomerações e a transmissão do vírus", afirmou o governador. "Não há necessidade de correria aos supermercados, aos mercadinhos, não há necessidade de fazer estoque de alimento. É preciso ter prudência, é preciso que as pessoas entendam a necessidade que temos de tomar essas medidas, que são medidas duras, mas necessárias para salvar a maior quantidade de vidas", concluiu Wilson Lima.

    A cidade de Manaus, no estado do Amazonas, continua com um alto índice de contaminação e mortes de vítimas do novo coronavírus (COVID-19). O estado vive uma crise sanitária e sofre com a falta de balões de oxigênio para pacientes internados nos hospitais da cidade portadoras do vírus
    © Folhapress / Phil Limma
    A cidade de Manaus, no estado do Amazonas, continua com um alto índice de contaminação e mortes de vítimas do novo coronavírus

    Tema:
    Brasil lidando contra COVID-19 no final de janeiro de 2021 (92)

    Mais:

    Venezuela se dispõe a levar oxigênio para pacientes com COVID-19 no Amazonas
    Apesar das críticas sobre a Amazônia, Espanha está de olho nas privatizações brasileiras
    Bolsonaro isenta governo federal de responsabilidade sobre crise no Amazonas
    Brasil confirma caso de reinfecção por cepa 'amazônica' do novo coronavírus
    Tags:
    pandemia, vacinação, Brasil, lockdown, COVID-19, governador, Amazonas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar