22:37 17 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil em meados de janeiro de 2021 (97)
    0101
    Nos siga no

    O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), teve uma reunião nesta quarta-feira (20) com o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, para discutir o envio dos insumos para as vacinas contra a COVID-19.

    Segundo Maia, o impasse no envio dos materiais não se deve a um obstáculo político, mas sim técnico.

    "Ele [embaixador chinês] abriu a conversa já relatando que, de forma nenhuma, haveria obstáculos políticos para a exportação dos insumos da China", disse Maia, citado pelo portal G1.

    O insumo farmacêutico ativo (IFA), que vem da China, usado na fabricação da CoronaVac e pela vacina de Oxford/AstraZeneca, ambas aprovadas para uso emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

    "Ele [Yang Wanming] disse que trabalha junto ao governo chinês para que a gente possa acelerar  — a exportação no nosso caso  — desses insumos para que possamos restabelecer logo a produção. Entendi a reunião como muito positiva", afirmou o presidente da Câmara.
    Funcionário do Instituto Butantan trabalha na produção da vacina CoronaVac
    © REUTERS / Amanda Perobelli
    Funcionário do Instituto Butantan trabalha na produção da vacina CoronaVac

    Rodrigo Maia criticou o governo de Jair Bolsonaro e disse que, até o momento, o governo federal não procurou a embaixada chinesa e que não houve nenhum tipo de diálogo para tratar do tema.

    "As informações que tenho, de diálogo com a embaixada, é que, de fato, não houve nenhum tipo de diálogo entre o governo federal e a embaixada chinesa. A informação que eu tenho não foi na conversa com ele [embaixador da China], foi de membros da embaixada. Essa é a informação que eu tenho e, infelizmente, faz sentido. Infelizmente, a questão ideológica tem prevalecido em relação à importância de salvar vidas no Brasil", declarou.

    Na terça-feira (19), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), responsável pela fabricação do imunizante de Oxford/AstraZeneca, informou que a entrega das vacinas contra a COVID-19 vai atrasar de fevereiro para março.

    Tema:
    COVID-19 no Brasil em meados de janeiro de 2021 (97)

    Mais:

    Aplicativo do Ministério da Saúde do Brasil receita cloroquina para tratar a COVID-19
    Lewandowski determina que Anvisa apresente informações sobre análise da vacina Sputnik V
    Bolsonaro diz que Força Aérea cumpriu missão de entregar vacinas no dia 'D-1'
    Pessoas morrem asfixiadas e o governo oferece remédio para verme e malária, lamenta infectologista
    Tags:
    COVID-19, Rodrigo Maia, vacina, vacinação, Vacina CoronaVac, imunização, imunizante, China, Brasil, Embaixada da China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar