07:54 17 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    1375
    Nos siga no

    Nesta quarta-feira (30), o Senado argentino aprovou a legalização do aborto, após 12 horas de debate, em uma sessão histórica.

    Por sua vez, o presidente Jair Bolsonaro criticou nesta quarta-feira (30) a legalização do aborto na Argentina, afirmando que as "vidas das crianças" poderão, de agora em diante, ser "ceifadas" com "a anuência do Estado".

    A declaração de Bolsonaro repercutiu na comunidade italiana, chamando inclusive a atenção da Ação Cristã Evangélica da Itália.

    "Expressamos nosso agradecimento pelas palavras do presidente do Brasil, condenando duramente a legalização do aborto na Argentina", afirmou em comunicado à Sputnik Adriano Crepaldi, presidente da Ação Cristã Evangélica da Itália (ACE, na sigla em italiano).

    A associação ainda fez questão de enaltecer o presidente brasileiro, enfatizando que Bolsonaro é um "verdadeiro líder que defende os valores cristãos e a razão humana saudável".

    Logo da Ação Cristã Evangélica
    © Foto / Ação Cristã Evangélica / Divulgação
    Logo da Ação Cristã Evangélica

    "Estamos felizes por convidá-lo [Bolsonaro] pessoalmente para participar do próximo Dia Cristão, organizado pela ACE, que será realizado, se Deus quiser, em maio em Milão", citou Adriano Crepaldi.

    "O Brasil faz bem em condenar. Bolsonaro foi convidado para nosso Dia Cristão em Milão. Estamos à espera", enfatizou.

    A Ação Cristã Evangélica (Azione Cristiana Evangelica) é uma associação presente em todas as 20 regiões da Itália, 32 províncias, em contato com 6.007 igrejas evangélicas e que colabora com o partido político Irmãos de Itália–Aliança Nacional (Fratelli d’Italia), o partido de Giorgia Meloni.

    Adriano Crepaldi, presidente da Ação Cristã Evangélica da Itália e Giorgia Meloni, presidente do partido político Irmãos de Itália-Aliança Nacional (Fratelli d’Italia)
    © Foto / Adriano Crepaldi / Giorgia Meloni / Divulgação
    Adriano Crepaldi, presidente da Ação Cristã Evangélica da Itália e Giorgia Meloni, presidente do partido político Irmãos de Itália-Aliança Nacional (Fratelli d’Italia)

    Na madrugada desta quarta-feira (30), após uma sessão que durou 12 horas, o Senado da Argentina aprovou o direito de a mulher optar pelo aborto até a 14ª semana de gestação. A decisão teve 38 votos a favor e 29 contra, além de uma abstenção.

    Com a decisão, a Argentina se junta a Cuba, Guiana, Guiana Francesa, Uruguai, Porto Rico e duas cidades mexicanas na legalização da interrupção da gravidez na América Latina.

    Mais:

    Ativistas divergem sobre apoio do Brasil à iniciativa dos EUA contra aborto
    Governo brasileiro publica portaria sobre aborto retirando obrigatoriedade de informar polícia
    Declaração contra aborto é assinada por Brasil, EUA e mais 4 países
    Tags:
    Argentina, aborto, religião, Itália, Brasil, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar