07:27 20 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    110
    Nos siga no

    Nesta sexta-feira (4), a Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou dados apontando que a inflação para a população com renda de até 2,5 salários mínimos está em alta.

    Os dados do Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1) tiveram o maior aumento do ano no mês de novembro, pressionados pelos preços dos alimentos. O crescimento no mês foi de 0,95%, sendo que em outubro a alta foi de 0,71%.

    O resultado apontado pela FGV para novembro mostra que o indicador acumula alta de 4,85% no ano e 5,82% nos últimos 12 meses. Com isso, o IPC-C1 se mantém acima da inflação oficial no Brasil, que está em 4,22% nos últimos 12 meses e teve alta de 0,81% em novembro – a maior desde 2015.

    Outro índice, o IPC-Br, que mensura a inflação para as famílias com renda entre um e 33 salários mínimos por mês, registrou alta de 0,94% em outubro, acumulando alta de 4,06% ou 4,86% nos últimos 12 meses – abaixo da inflação para os mais pobres.

    Movimentação de consumidores para as compras de natal no centro de comércio Saara, no Rio de Janeiro.
    © Folhapress / Coelho
    Movimentação de consumidores para as compras de natal no centro de comércio Saara, no Rio de Janeiro.

    A FGV aponta que as maiores altas de preços ocorreram nas passagens aéreas (27,16%), na gasolina (2,36%), na batata inglesa (32,43%), no tomate (18,81%) e no arroz (5,79%). Ainda segundo o estudo, seis das oito áreas de despesa pesquisadas tiveram aumento nas taxas de novembro – Transportes; Educação, Leitura e Recreação; Saúde e Cuidados Pessoais; Habitação; Alimentação; e Despesas Diversas. As áreas de Vestuários e Comunicação tiveram recuo.

    A expectativa registrada no relatório de mercado Focus, do Banco Central, é de que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) termine o ano em 3,54%. O IPCA é calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    Mais:

    Ministério da Economia melhora projeção de queda do PIB em 2020
    Brasil: após resultado do PIB, governo fala em 'desarmar escudo de políticas sociais'
    Número de desempregados no Brasil cresceu 35,9% em 6 meses de pandemia da COVID-19
    Tags:
    Brasil, IPCA, FGV
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar