20:57 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Por
    COVID-19 no Brasil em meados de outubro (54)
    7421
    Nos siga no

    O presidente do Brasil anunciou que a aquisição da vacina chinesa CoronaVac não está nos planos do governo, causando tsunami de elogios e críticas no Twitter.

    Jair Bolsonaro parece ter jogado um balde de água fria nos planos do Ministério da Saúde de comprar 46 milhões de doses da vacina chinesa CoronaVac.

    Chamando CoronaVac, desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac Live Science, de "vacina chinesa de João Doria", o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, deixou bem claro que "o povo brasileiro não será cobaia de ninguém", por defender a importância de comprovação da eficácia da vacina contra COVID-19 antes de ser comprada.

    ​O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), não ficou calado, e pediu que o presidente "tenha grandeza".

    ​O veto de Bolsonaro está sendo contestado por brasileiros, que acham o posicionamento do presidente gravíssimo.

    ​Vai rolar mais uma demissão a nível ministerial?

    ​Bolsonaristas não estão deixando seu fã de lado, e estão fazendo todo o possível para mostrar o quanto o apoiam.

    ​"VaChina não!!!"

    ​"Parabéns presidente", assunto criado por bolsonaristas, está chamando atenção de críticos.

    ​Há quem esteja apontando os "erros" de Bolsonaro em um mapa.

    ​Radiação.

    Tema:
    COVID-19 no Brasil em meados de outubro (54)

    Mais:

    Bolsonaro reforça que brasileiro não será obrigado a tomar vacina contra COVID-19
    Bolsonaro é chamado de 'charlatão' após governo 'comprovar' eficácia de vermífugo contra COVID-19
    'Não compraremos a vacina da China', afirma Bolsonaro
    Tags:
    COVID-19, Instituto Butantan, Vacina CoronaVac, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar