22:14 19 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Coronavírus no Brasil em meados de setembro (42)
    2232
    Nos siga no

    O governo federal anunciou na noite desta sexta-feira (18) a confirmação da intenção do Brasil aderir à COVAX Facility, programa mundial para impulsionar o desenvolvimento de vacinas contra a COVID-19.

    Na quinta-feira (17), o Brasil solicitou uma extensão de prazo para a Aliança Global de Vacinação (Gavi, na sigla em inglês). O limite para confirmar o interesse no programa vai até a meia-noite desta sexta-feira (19).

    Em entrevista à Sputnik Brasil, o médico sanitarista Gonzalo Vecina Neto, professor da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP) e fundador da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), criticou a demora do governo federal em confirmar o interesse em participar da COVAX Facility.

    "O que explica essa demora do governo brasileiro é um problema de desgoverno, a única explicação para o Brasil não assumir uma posição que ele deveria assumir por uma questão de solidariedade com os países do mundo", afirmou.

    Segundo Vecina Neto, o Brasil teria condições de ajudar.

    "Com a nossa capacidade, a nossa possibilidade de produzir vacinas, nós deveríamos estar junto com essa iniciativa da OMS [desde o início]. É uma pena que nos atrasamos para dizer sim", disse.

    O sanitarista lembrou que o objetivo do programa é o de tentar fazer com que as pessoas recebam a futura vacina contra a COVID-19 o mais rápido possível.

    "Está tentando construir essa solidariedade mundial em que os países ricos vão constituir um fundo para comprar vacinas para que todos os habitantes da Terra tenham acesso à vacina simultaneamente. Então se entende o que está acontecendo [no atraso do Brasil], é uma politicagem grossa e indesejável. Este governo deu mais uma demonstração da sua pequeneza, da sua hipocrisia", completou.

    O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que mais de 170 países já tinham aderido à COVAX.

    Logo após a entrevista com Gonzalo Vecina Neto surgiu a informação de que o Brasil confirma a intenção de aderir à COVAX.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Coronavírus no Brasil em meados de setembro (42)

    Mais:

    Após paralisação, testes com vacina de Oxford são retomados no Brasil
    Anvisa amplia número de voluntários para teste da vacina de Oxford no Brasil para 10 mil
    Revelados detalhes do acidente com vacina da AstraZeneca que levou à suspensão de testes
    The Lancet publica resposta de cientistas russos a colegas sobre vacina russa Sputnik V
    Tags:
    imunizante, imunização, imunidade, novo coronavírus, Organização Mundial da Saúde (OMS), Brasil, vacina, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar