09:48 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 70
    Nos siga no

    Ao longo da última década as universidades federais tiveram queda acentuada em verbas para obras, laboratórios e compras de equipamentos.

    Um levantamento publicado pelo portal G1 neste domingo (23) aponta que as instituições federais de ensino superior brasileiras tiveram queda de 73% em investimentos em infraestrutura. O que já foi um investimento de R$ 2,78 bilhões, em 2010, chegou a R$ 760 milhões, em 2019.

    A verba para investimentos de universidades federais chegou a ser ainda maior dentro desse período, atingindo o patamar de R$ 3,8 bilhões nos anos de 2011 e 2012, com iniciativas como o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni), com o objetivo de ampliar vagas e melhorar a infraestrutura das instituições.

    Ao longo da década, o Brasil passou por mudanças políticas e fiscais profundas, como a instituição do teto de gastos em 2016, durante o governo do ex-presidente Michel Temer (MDB), com o objetivo de limitar gastos governamentais a um teto estabelecido por pelo menos uma década. Com o teto constitucional, as despesas precisam ser remanejadas para priorizar investimentos em determinadas áreas, como a educação.

    Protesto em frente ao prédio do Ministério da Educação em Brasília (DF) contra a Medida Provisória n° 979, de 2020, que permite o ministro escolher os reitores das Universidades Federais
    © Folhapress / Futura Press
    Protesto em frente ao prédio do Ministério da Educação em Brasília (DF) contra a Medida Provisória n° 979, de 2020, que permite o ministro escolher os reitores das Universidades Federais

    Ainda segundo o levantamento feito pelo portal, as universidades relatam problemas decorrentes da falta de investimento. Entre eles, falta de recursos para a manutenção de computadores e melhorias em redes de Wi-Fi. Além disso, as obras de acessibilidade estão comprometidas, assim como investimentos em complexos esportivos.

    O governo do presidente Jair Bolsonaro já acena com novos cortes na área da educação para o ano de 2021, com expectativa de diminuição de 18,2% - R$ 4,2 bilhões - nos chamados gastos não obrigatórios em universidades federais, como os investimentos em infraestrutura e obras. A proposta foi incluída na Lei Orçamentária Anual de 2021 e ainda precisa passar pelo crivo do Congresso Nacional.

    Mais:

    Políticas erradas tiraram autoridade do professor em sala, diz ministro da Educação ao tomar posse
    Ministro da Educação, Milton Ribeiro, diz que está com COVID-19
    Governo indica que pode desbloquear verbas para universidades federais
    Tags:
    Brasil, Congresso Nacional, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar