06:07 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    7830
    Nos siga no

    Os EUA querem que o Brasil participe de seus planos para combater a China no seio da Organização Mundial de Saúde (OMS), com o objetivo de reformar a instituição.

    Dessa forma, o governo de Donald Trump pretende blindar a entidade da influência chinesa no futuro. Para isso, Washington já enviou a Brasília seu projeto com os princípios sobre como reorganizar as estruturas da agência, segundo o portal Brasil247.

    A ação, por sua vez, irritou profundamente os europeus, pelo fato de os EUA estarem adotando uma postura dúplice. De um lado anunciam sua saída da organização e o fim do repasse de recursos e, ao mesmo tempo, tentam comandar uma reforma.

    Presidentes Jair Bolsonaro (Brasil) e Donald Trump (EUA) posam para fotos antes de jantar em Mar-a-Lago, na Flórida
    © AP Photo / Alex Brandon / File
    Presidentes Jair Bolsonaro (Brasil) e Donald Trump (EUA) posam para fotos antes de jantar em Mar-a-Lago, na Flórida

    França e Alemanha mostraram discordâncias com a agenda de reforma e os princípios da nova entidade multilateral de saúde, propostos pelos EUA, que Washington pretende aprovar no G7, grupo que é presidido por Trump.

    Com isso, o próximo passo seria levar a questão ao G20, onde precisariam dos aliados para obter a aprovação. É aqui que o Brasil pode ser usado, já que seria fundamental para esses planos, sendo a principal esperança dos EUA em contar com mais de 190 países a fim de atingir seu objetivo de reformar a OMS.

    Mais:

    Pelos EUA, Brasil banca 'parceiro infiel' ao atacar China na OMC e perdas serão altas, diz analista
    Sem parque industrial, analistas preveem Brasil prejudicado por guerra comercial entre China e EUA
    Lamentável ver generais de Brasil e Colômbia como funcionários dos EUA, diz chanceler da Venezuela
    Tags:
    OMS, China, Brasil, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar