09:13 18 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    6294
    Nos siga no

    As acusações feitas em delação premiada pelo ex-ministro da Fazenda, Antonio Palocci, contra o ex-presidente Lula não têm provas e foram baseadas em notícias de jornais, segundo concluiu a Polícia Federal.

    A PF aponta ainda que a investigação desmentiu acusações de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva era beneficiário de um esquema de propinas milionárias por meio do banqueiro André Esteves, do banco BTG.

    O inquérito do caso foi encerrado na semana passada sem indiciar acusados. Segundo o delegado Marcelo Daher, as informações da delação "parecem todas terem sido encontradas em pesquisas de Internet".

    Reunião do diretório nacional do PT, com a presença de Lula e Dilma
    © Folhapress / Zanone Fraissat
    Reunião do diretório nacional do PT, com a presença de Lula e Dilma

    As informações foram publicadas na manhã deste domingo (16) pela jornalista Mônica Bergamo no jornal Folha de São Paulo. Segundo o jornal, Daher aponta que notícias jornalísticas podem iniciar inquéritos policiais, mas que no caso não houve produção de provas que pudessem garantir "continuidade à persecução penal". A conclusão foi enviada ao Ministério Público Federal (MPF).

    Acusações desmentidas

    Palocci diz na delação premiada que Lula recebia valores movimentados e ocultados por André Esteves, o que supostamente ocorria desde 2011 como parte de um esquema de corrupção e de caixa dois, conforme aponta a publicação.

    Em contrapartida, o banqueiro receberia informações privilegiadas do Banco Central e dividiria os lucros obtidos a partir das informações com o ex-presidente. Palocci acusa Lula na delação de ter recebido inicialmente R$ 10 milhões e que Esteves pretendia administrar outros R$ 300 milhões em propinas da Odebrecht para o PT.

    Marcelo Odebrecht presta depoimento em audiência da CPI da Petrobras em Curitiba, em 2015
    © Folhapress / Giuliano Gomes
    Marcelo Odebrecht presta depoimento em audiência da CPI da Petrobras em Curitiba, em 2015

    A Polícia Federal analisou as operações do Fundo Bintang, supostamente ligado a André Esteves, e concluiu que não houve ganhos por parte do fundo com informações privilegiadas do Banco Central. Palocci afirmou no inquérito, após ser intimado a dar explicações, que o nome do fundo "ficou na memória" pois ele acompanhava "as notícias do mercado na época".

    Marcelo Odebrecht apontou que houve "confusão" de Palocci sobre propinas da empreiteira em relação ao Partido dos Trabalhadores (PT). Já André Esteves teria negado as acusações e apontou que o fundo não tem relação com o banco BTG.

    Mais:

    Palocci acusa Lula e Sarkozy de negociarem propinas em compra de submarinos e helicópteros
    'Extremos a serem evitados': Moro critica Bolsonaro e Lula e despista sobre 2022
    STF retira delação de Palocci de processo contra Lula e Gilmar Mendes critica Moro: 'Fato político'
    Tags:
    André Esteves, Marcelo Odebrecht, Banco Central, BTG, MPF, Polícia Federal, PT, Odebrecht, Antônio Palocci Filho, Lula
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar