15:57 26 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    2440
    Nos siga no

    Nos EUA, Donald Trump tenta a reeleição enquanto Joe Biden desponta nas pesquisas. O que isso significa para o Brasil de Bolsonaro? A Sputnik Brasil ouviu um pesquisador de História da América que explicou o que podemos esperar no Brasil caso Biden vença as eleições.

    As eleições presidenciais se avizinham nos Estados Unidos e devido à proximidade entre os governos do norte-americano Donald Trump e do brasileiro Jair Bolsonaro, o resultado do pleito pode trazer consequências para a política externa brasileira.

    Apesar do apoio de Bolsonaro a Trump, a situação, por enquanto, está desfavorável para o republicano na corrida eleitoral. É o que aponta o professor Roberto Moll, que leciona História da América no Programa de Pós-Graduação em Estudos Estratégicos da Defesa e da Segurança na Universidade Federal Fluminense (UFF).

    "Me parece que hoje a eleição está muito mais favorável para o Biden do que para o Trump, embora isso não esteja definido, não seja certo", avalia o professor em entrevista à Sputnik Brasil.

    Moll entende que Trump está em baixa devido ao avanço da pandemia do novo coronavírus nos EUA e também devido aos protestos antirracistas que se espalharam pelas ruas do país. O pesquisador alerta para o fato de que as eleições dos EUA ainda podem surpreender, como em 2016, devido ao sistema de votos norte-americano - no qual o presidente não é eleito pelo voto popular diretamente, e analisa as possíveis consequências para o Brasil e a América Latina caso Biden saia vitorioso.

    O 'erro básico' na política externa de Bolsonaro

    Roberto Moll explica que uma eventual derrota de Trump pode ser um problema para Bolsonaro, que vive sua própria crise política no Brasil e desde a campanha eleitoral declara alinhamento político com o atual ocupante da Casa Branca.

    "O governo brasileiro cometeu um erro básico de política externa, que é fazer a política externa com base em amizades e inimizades pessoais - sobretudo, inimizades pessoais", aponta.
    Em Washington, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump (à esquerda), e o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (à direita), conversam na Casa Branca em 19 de março de 2019.
    © AP Photo / Manuel Balce Ceneta
    Em Washington, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump (à esquerda), e o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (à direita), conversam na Casa Branca em 19 de março de 2019.

    Moll ressalta que o maior problema desse posicionamento é em relação às inimizades, lembrando que Bolsonaro chegou a "praticamente fazer campanha" para presidentes de outros países. Exemplos dessa posição ocorreram em relação à Argentina, ao Uruguai e também com os EUA, com Trump, a quem Bolsonaro dedica admiração.

    "Vale lembrar que essa relação com base em pessoalidade e amizades ou inimizades pessoais, recentemente trouxe pouca ou nenhuma vantagem comercial para o Brasil. O Brasil, no ano de 2020, de janeiro a junho, tem tido um déficit comercial com os Estados Unidos", aponta o professor, que ressalta o quadro mesmo lembrando que o mundo vive uma crise econômica decorrente da pandemia da COVID-19.

    Pragmatismo deve se impor

    O pesquisador da UFF pondera, no entanto, que uma eventual eleição de Biden não significaria uma ruptura com o Brasil. Para ele, há interesses de setores das sociedades civis de ambos os países nessa relação bilateral, e essa dinâmica garante certa estabilidade.

    "Acredito que essas relações vão ser pautadas pelo pragmatismo desses interesses da sociedade civil e pelo próprio pragmatismo do governo estadunidense. É bom lembrar que Joe Biden não é Donald Trump, não vai se eleger com o discurso do Donald Trump, nem com a retórica de Donald Trump", avalia.
    Joe Biden, candidato à presidência dos Estados Unidos, pelo Partido Democrata.
    © AP Photo / Susan Walsh
    Joe Biden, candidato à presidência dos Estados Unidos, pelo Partido Democrata.

    O pesquisador Roberto Moll também expressa preocupação com o fato de que Bolsonaro terá trabalho para buscar formas de legitimidade caso ocorra uma derrota de Trump.

    "O grande problema, na verdade, que eu percebo ou que a gente deveria estar se perguntando e que é decorrente dessa tensão um pouco maior – caso o Biden vença as eleições –, é de que o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, vai passar dois anos de mandato tendo que buscar outras formas de legitimidade interna e internacional", aponta Moll.

    Outro aspecto problemático apontado pelo professor no quadro que pode se desenhar com a vitória de Biden é que o democrata tem se apresentado como um defensor do meio ambiente, o que pode agravar a crítica internacional contra a política ambiental de Bolsonaro. Para Moll, a questão para Biden tem também motivos eleitorais, mas trará consequências para Bolsonaro.

    China, América Latina e liderança regional

    Devido à crescente influência e competição com a China na América Latina, um eventual governo Biden nos EUA deve voltar esforços para o continente em busca de garantir uma posição norte-americana na região. É o que diz o professor Roberto Moll, que acredita que esse contexto fará com que haja aproximação mesmo com governos progressistas, apesar das limitações.

    "Acho que a tendência com uma vitória do Biden é de que haja uma aproximação dos Estados Unidos com a América Latina nos próximos anos. Entretanto, uma aproximação com os governos progressistas da América Latina que vai ser muito menos tensa - mas não significa ausência de tensão, muito menos significa que o progressivismo na América Latina vai estar aí livre e ilimitado para tomar caminhos quase revolucionários", alerta o professor.
    Presidenta Dilma Rousseff durante reunião de trabalho com o presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama. (Washington - EUA, 30/06/2015)
    Roberto Stuckert Filho/PR
    Presidenta Dilma Rousseff durante reunião de trabalho com o presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama. (Washington - EUA, 30/06/2015)

    Moll aponta que um eventual governo Biden tentará, apesar da aproximação, impor limites a governos progressistas na região, incluindo a Venezuela. O pesquisador recorda que durante o governo de Barack Obama, de quem Biden foi vice-presidente, o Brasil agiu como mediador dessa relação dos EUA com governos progressistas na região, mas que não espera essa posição de Bolsonaro.

    "O Brasil não me parece nem um pouco disposto a exercer essa função de mediador entre países progressistas e os Estados Unidos. Então essa é uma incógnita, quem vai exercer essa função de mediação?", afirma.

    Mais:

    Biden diz que militares devem intervir se Trump perder a eleição e não quiser sair
    Trump-Bolsonaro: relação de 'compadrio' põe em risco interesses brasileiros, diz analista
    Bolsonaro cumprimenta Trump pelo Dia da Independência dos Estados Unidos
    Bolsonaro diz torcer por reeleição de Trump
    Tags:
    COVID-19, Donald Trump, Joe Biden, Jair Bolsonaro, Brasil, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar