03:44 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    282
    Nos siga no

    O Ministério Público Federal (MPF) apresentou ação penal contra três ex-militares por torturar e desaparecer com o corpo do ativista político e advogado Paulo de Tarso Celestino da Silva em 1971.

    A ação pede que Rubens Gomes Carneiro (Laecato ou Boamorte), Ubirajara Ribeiro de Souza (Zé Gomes ou Zezão) e Antonio Waneir Pinheiro Lima (Camarão) deixem de receber aposentadoria ou qualquer tipo de reforma remunerada e também que os oficiais sejam destituídos de seus cargos e "medalhas e condecorações eventualmente obtidas", além de estabelecer um pagamento de dano cívil pelos crimes praticados. 

    De acordo com o MPF, Silva era diretor da Aliança Libertadora Nacional (ALN) e membro da luta armada quando da sua prisão. Ele foi torturado no DOI-CODI do Rio de Janeiro e posteriormente em um imóvel que funcionava como centro de tortura e desaparecimento de corpos em Petropólis. O local ficou conhecido como "Casa da Morte" e o corpo de Silva nunca foi encontrado.

    "A prisão de Paulo de Tarso Celestino da Silva não decorreu de flagrante e não foi oficializada ou comunicada à autoridade judiciária. Ocorre que, a pretexto de combater supostos opositores do regime militar, não estavam os agentes públicos, mesmo à época do início da execução do crime, autorizados a sequestrar a vítima, mantê-la secretamente encarcerada em estabelecimento clandestino, dando-lhe paradeiro conhecido somente pelos próprios autores do crime e seus comparsas, já falecidos ou ainda não identificados", diz o MPF na denúncia.

    Inês Etienne Romeu é a única sobrevivente da Casa da Morte e afirma ter testemunhado as torturas contra Silva: "Colocaram-no no pau de arara, deram-lhe choques elétricos, obrigaram-no a ingerir uma grande quantidade de sal. Durante muitas horas eu o ouvi suplicando por um pouco d’água".

    Mais:

    MPF publica vídeo contra 'MP da grilagem' e diz que medida 'regulariza o crime'
    MPF abre investigação para apurar vazamento de informações da PF a Flávio Bolsonaro
    MPF pede afastamento do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles
    MPF conclui pela 2ª vez que Adélio agiu sozinho em ataque a facada contra Bolsonaro
    Tags:
    ditadura militar, tortura, Ministério Público Federal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar