11:12 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    262
    Nos siga no

    Segundo investigação, o jovem, de 22 anos, teria mantido uma serpente venenosa "em ambiente doméstico", o que não é permitido pela lei, pelo que será multado se o réptil for encontrado.

    Um estudante de veterinária, de 22 anos, foi picado por uma cobra em Brasília, Guará, na terça-feira (7) e internado em estado grave em um hospital particular do Gama.

    A cobra, do gênero naja, pertenceria ao jovem, que será multado por violar regras de mantimento de animais domésticos. A Polícia Civil do Distrito Federal e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) continuam investigando o caso.

    "O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) informa que acompanha o caso de uma cobra, supostamente do tipo naja, que picou um homem no Distrito Federal nessa terça-feira, 7. O criador, que está hospitalizado, não tem permissão para manter o animal em ambiente doméstico – a legislação permite apenas espécies não venenosas para esse fim."

    A naja não é uma espécie nativa do Brasil, tornando "muito complexo fazer o diagnóstico e o tratamento adequado", segundo a infectologista Joana D'arc Gonçalves. A serpente é nativa da Ásia e da África, fazendo parte do grupo de cobras mais venenosas do mundo.

    Um auditor fiscal do Instituto Brasília Ambiental (Ibram) relatou nesta quarta-feira (8) que não há registro de importação da serpente. Em declarações ao portal G1, a Polícia Civil não descarta que a cobra tenha chegado ao Distrito Federal por meio do tráfico de animais.

    "Os fiscais ainda trabalham para encontrar a cobra, que somente poderia ser criada para fins comerciais, no caso de instituições farmacêuticas, ou com intuito de conservação, ou seja, quando o animal não pode voltar à natureza. Para isso, o responsável precisa ter autorização emitida por órgão ambiental estadual e seguir regras para a criação, como mantê-la em local apropriado."

    O auditor do Instituto Brasília Ambiental disse que o homem mantinha uma página em uma rede social, com fotos e vídeos de algumas espécies de cobras. Mas, segundo o servidor público, "depois do ocorrido a página foi estranhamente apagada".

    Assim que o réptil for encontrado, a Polícia Civil deve aplicar a multa, que pode variar entre R$ 500 e R$ 5 mil.

    Mais:

    Naja invade casa, se esconde em panela e só vai embora depois de cafuné
    Cobra-rei retirada de scooter na Índia provoca gritos de medo entre as pessoas (VÍDEO)
    'Criatura mítica': naja de 2 cabeças causa alvoroço na Índia (VÍDEO)
    Tags:
    G1, África, Ásia, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA), Ibama, Distrito Federal, Polícia Civil, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar