09:28 17 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    6805
    Nos siga no

    Na manhã desta segunda-feira (15), a Polícia Federal (PF) prendeu Sara Winter do movimento 300 do Brasil, apoiadora do presidente Jair Bolsonaro.

    Sara Winter, líder do grupo 300 do Brasil, que apoia o presidente Jair Bolsonaro, é investigada no inquérito das fake news, sob suspeita de ameaça aos ministros do STF. Recentemente ela foi alvo de busca e apreensão e fez novas ameaças aos ministros da corte.

    A prisão foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito que investiga ataques antidemocráticos. 

    Ativista Sara WInter
    © Folhapress / Matheus W Alves / Futura Press
    Ativista Sara Winter

    Durante a operação, seis pessoas foram presas. Entretanto, as identidades dos outros cinco detidos ainda não foram divulgadas, segundo o portal G1. 

    "É imprescindível a verificação da existência de organizações e esquemas de financiamento de manifestações contra a Democracia e a divulgação em massa de mensagens atentatórias ao regime republicano, bem como suas formas de gerenciamento, liderança, organização e propagação que visam lesar ou expor a perigo de lesão os Direitos Fundamentais, a independência dos Poderes instituídos e ao Estado Democrático de Direito, trazendo como consequência o nefasto manto do arbítrio e da ditadura", afirmou Moraes.

    A ativista ficou conhecida em 2012, quando participava do Femen, grupo feminista de origem ucraniana que organizou protestos na Eurocopa.

    Em 2014, Winter organizou diversos protestos contra a realização da Copa do Mundo no Brasil. Na ocasião, chegou a ser detida em um dos protestos por ato obsceno e por chamar policiais de "assassinos".

    Mais:

    Bolsonaro sanciona lei que estabelece o valor do salário mínimo em 2020
    Bolsonaristas tentam vandalizar protesto que chamava atenção para mortes por COVID-19 no RJ (VÍDEOS)
    Bolsonaro veta proibição de festa em condomínio por síndico
    Tags:
    Brasília, Polícia Federal, ativistas, ativista, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar