08:14 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil enfrenta COVID-19 no início de junho (52)
    61516
    Nos siga no

    O presidente Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira (5) que o Brasil pode deixar a Organização Mundial da Saúde (OMS) caso a instituição mantenha uma atuação "ideológica".

    O presidente brasileiro repete o que fez o seu colega norte-americano, Donald Trump, que anunciou a saída dos EUA da OMS na semana passada.

    "Adianto aqui: os EUA saíram da OMS, a gente estuda no futuro. Ou a OMS trabalha sem o viés ideológico ou a gente está fora também. Não precisamos de gente lá de fora dar palpite na saúde aqui dentro", disse o presidente.

    A declaração foi dada durante entrevista do presidente em frente ao Palácio da Alvorada.

    "Ou a OMS realmente deixa de ser uma organização política, até partidária pode-se dizer, ou nós estudamos sair de lá", completou Bolsonaro, citado pela CNN Brasil.

    Bolsonaro defendeu também a divulgação dos dados de casos e mortes por COVID-19 no Brasil às 22 horas, ao invés de 19 horas como vinha ocorrendo nas últimas semanas.

    "Olha, não interessa de quem partiu [a ordem para a mudança no horário]. Acho que é justo sair [às] dez da noite. Sair o dado completamente consolidado", afirmou.

    Pelo terceiro dia consecutivo o boletim diário do Ministério da Saúde está previsto para ser divulgado às 22h.

    Tema:
    Brasil enfrenta COVID-19 no início de junho (52)

    Mais:

    Trump rompe com Organização Mundial da Saúde
    OMS prevê 88,3 mil mortes por COVID-19 no Brasil até início de agosto
    'Decepcionante', diz ministro da Saúde da Alemanha sobre EUA abandonarem OMS
    COVID-19: OMS anuncia retomada de estudos da hidroxicloroquina, defendida por Trump e Bolsonaro
    STF proíbe operações em comunidades do Rio de Janeiro durante a pandemia
    Tags:
    Brasil, Organização Mundial da Saúde (OMS), OMS, COVID-19, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar