14:58 09 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    4102
    Nos siga no

    O advogado Victor Granado Alves recebeu R$ 500 mil reais de fundo público através de contrato a pedido do senador Flávio Bolsonaro.

    A origem do pagamento veio através de contrato do PSL nacional com o escritório de Victor Granado Alves. O contrato teve início em fevereiro de 2019, com duração de 13 meses e custo total de pelo menos R$ 500 mil, segundo reportagem do jornal Folha de São Paulo.

    O dinheiro, segundo o jornal, teria origem no fundo partidário e o contrato garantia serviços jurídicos a serem prestados pelo escritório de Victor Alves ao diretório do PSL no Rio de Janeiro. O contrato previa que os valores seriam pagos mensalmente em parcelas de R$ 40 mil.

    Uma das sócias do escritório é assessora parlamentar no gabinete de Flávio Bolsonaro no Senado Federal, tendo sido contratada no mês seguinte ao início do contrato com o PSL.

    O advogado Victor Alves foi citado pelo empresário Paulo Marinho como uma das pessoas envolvidas em vazamento de informações sobre um inquérito da Polícia Federal de 2018, envolvendo o gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ).

    O senador Flávio Bolsonaro durante cerimônia alusiva à alteração da Lei Geral de Telecomunicações
    ©Pedro Ladeira/Folhapress
    O senador Flávio Bolsonaro durante cerimônia alusiva à alteração da Lei Geral de Telecomunicações

    Marinho realizou a denúncia em entrevista também à Folha de São Paulo, apontando que um delegado da Polícia Federal, supostamente partidário do então candidato à Presidência, Jair Bolsonaro, teria adiantado informações sobre a operação Furna da Onça, que em 2018 revelou esquemas de corrupção na ALERJ.

    O informante teria se encontrado com Victor Alves, o coronel Miguel Braga, chefe de gabinete de Flávio Bolsonaro no Senado, e Valdenice Oliveira Meliga, ex-tesoureira do PSL do Rio de Janeiro.

    O vazamento, segundo Marinho, foi feito entre o primeiro e o segundo turno das eleições presidenciais naquele ano. O delegado que vazou as informações teria também afirmado que a operação seria adiada para não atrapalhar a candidatura de Bolsonaro.

    O empresário Paulo Marinho será ouvido pela Polícia Federal, a pedido da Procuradoria Geral da República (PGR) em um inquérito junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) que investiga suposta interferência na Polícia Federal feita pelo presidente brasileiro, Jair Bolsonaro. A denúncia foi realizada pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, que deixou o cargo acusando Bolsonaro de irregularidades.

    Mais:

    Polícia Federal entrega a Celso de Mello vídeo da reunião ministerial citada por Sergio Moro
    'Não vou esperar f. minha família', disse Bolsonaro em reunião com Moro
    PGR pede que PF ouça Paulo Marinho em investigação sobre Bolsonaro
    Tags:
    Procuradoria Geral da República (PGR), Polícia Federal - PF, Supremo Tribunal Federal (STF), Jair Bolsonaro, Flávio Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar