14:52 04 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    373
    Nos siga no

    O presidente Jair Bolsonaro decidiu na tarde desta quarta-feira (29) recuar e cancelar a nomeação de Alexandre Ramagem para o posto de novo diretor-geral da Polícia Federal (PF), horas após o Supremo Tribunal Federal (STF) bloquear a investidura.

    A decisão mais recente de Bolsonaro consta em um decreto extraordinário publicado no Diário Oficial da União (DOU) nesta quarta-feira.

    Ramagem continuará sendo diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), cargo que ocupava até agora.

    O ministro Alexandre de Moraes, do STF, suspendeu a nomeação ao acolher um pedido do Partido Trabalhista Democrático (PDT).

    Moraes observou que o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, acusou Bolsonaro, quando se demitiu na semana passada, de tentar interferir na PF ao indicar como diretor alguém em quem ele confiava, com quem poderia ter contato direto.

    A escolha de Ramagem gerou fortes críticas, sobretudo pela ligação próxima dele com a família Bolsonaro. Além de ter sido chefe de segurança do presidente na campanha de 2018, ele se tornou amigo do vereador Carlos Bolsonaro, que pode estar no radar de investigações da PF.

    Por outro lado, a nomeação do novo Ministro da Justiça e Segurança Pública, que substitui Moro, continua. O designado foi André Mendonça, advogado e pastor evangélico que até agora estava encarregado da Advocacia-Geral da União (AGU).

    Mais:

    Moro nega ter pedido assento no STF em troca da permanência de Valeixo
    Após saída de Moro, 3 secretários do Ministério da Justiça colocam cargos à disposição
    STF abre inquérito para investigar acusações de Moro contra Bolsonaro
    Tags:
    Carlos Bolsonaro, nomeação, STF, Alexandre de Moares, Jair Bolsonaro, Polícia Federal, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar