06:05 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil no início de abril de 2020 (99)
    213514
    Nos siga no

    Nesta segunda-feira (6), o governador de São Paulo, João Doria, anunciou a extensão da quarentena por mais 15 dias no estado.

    Sob quarentena desde o dia 24 de março, o estado estenderá o regime de isolamento social até o dia 22 de abril. A medida foi anunciada em entrevista coletiva nesta segunda-feira.

    Críticas a Bolsonaro

    O governador João Doria ressaltou que a medida da quarentena é defendida por cientistas e chefes de Estado no mundo inteiro. Em seguida, questionou opiniões contrárias às medidas restritivas.

    "Será que todos eles estão errados? Será que a ciência está errada? Será que a Organização Mundial da Saúde está errada?", afirmou.

    O governador ressaltou ainda que os ministros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, da Justiça, Sergio Moro, da Economia, Paulo Guedes, e o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, apoiam o isolamento social. Logo após, Doria citou o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, e indagou:

    "Será que um único presidente da Republica no mundo é o certo?".

    Bolsonaro tem sido o principal crítico, no Brasil, às medidas de isolamento social, apontando os efeitos negativos da quarentena sobre a economia. Devido a isso, o presidente os governadores que impuseram as medidas de restrição entraram em conflito. Doria tem sido um dos principais alvos das críticas do presidente brasileiro.

    O governador também afirmou que a Polícia Militar irá atuar na dissipação de quaisquer aglomerações de pessoas no estado, apontando que o desrespeito à quarentena "não será admitido".

    Apelo aos empresários: 'não demitam'

    Durante a coletiva, o governador paulista ainda fez um apelo aos empresários de médio e grande porte para que não demitam seus funcionários durante o enfrentamento à pandemia.

    "Por favor façam todo o possível para não demitir. Não demitam seus funcionários", disse o governador.

    Doria pediu aos empresários que "exerçam sua responsabilidade social" e cobrou atitude humanitária dos gestores.

    "Mais do que nunca seus funcionários e colaboradores esperam isso de vocês", acrescentou.

    O governador também citou nominalmente diversas empresas que se comprometeram a não demitir funcionários ao longo da crise e que têm feito doações para combater os efeitos sobre a economia.

    São Paulo é o estado mais atingido do país pela pandemia. Segundo a mais recente atualização, o estado de São Paulo registra hoje 275 mortes e 4.630 infectados pela COVID-19.

    Tema:
    COVID-19 no Brasil no início de abril de 2020 (99)

    Mais:

    'Recebi ataque descontrolado do presidente', diz Doria sobre reunião com Bolsonaro
    Ameaçado de morte, Doria diz que Bolsonaro 'lava as mãos para crise' da COVID-19
    Em São Paulo, bolsonaristas se aglomeram em protesto contra Doria e a quarentena
    Tags:
    novo coronavírus, COVID-19, Jair Bolsonaro, João Doria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar