22:20 04 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil enfrenta COVID-19 (234)
    7569
    Nos siga no

    A confirmação do primeiro caso do novo coronavírus (SARS-CoV-2) no Brasil completa um mês nesta quinta-feira (26).

    Desde então, o país contabiliza 2.433 casos confirmados e 57 mortes, segundo o último balanço divulgado nesta quarta-feira (26) pelo Ministério da Saúde.

    O ministro Luiz Henrique Mandetta avalia que o aumento dos casos está ocorrendo de forma "aproximadamente igual nos últimos dias".

    Em entrevista à Sputnik Brasil, o médico sanitarista Gonzalo Vecina, professor da Faculdade de Saúde Pública da USP e fundador da Anvisa (Agência Nacional de Saúde), disse que o fenômeno dos casos terem aumentado de forma igual nos últimos dias pode já ser um efeito da quarentena imposta aos brasileiros.

    "Aparentemente algum efeito [da quarentena] parece que nós tivemos e a epidemia parece não estar progredindo com tanta força quanto nós havíamos estimado, mas em hipótese alguma nós temos condição de nesse momento abaixar a guarda", disse.

    Segundo Vecina, a quarentena deve permanecer pelos próximos 14 dias.

    "A gente tem que aguardar as próximas duas semanas, de preferência com um aprofundamento da quarentena, só vai trabalhar quem precisa porque é de um setor crítico. Temos que manter a sociedade minimamente funcionando, mas diminuindo a possibilidade de contato entre as pessoas por pelo menos 14 dias", explicou.

    Somente após o período de duas semanas, de acordo com Gonzalo Vecina que poderemos analisar e talvez isolar somente os grupos de risco.

    "Poderíamos voltar a analisar, se a epidemia chegar no pico e começar a cair o número de casos novos, talvez esteja na hora da gente pensar em uma proposta do tipo da quarentena vertical, em que se isola somente os grupos de risco", defendeu.

    A chamada "quarentena vertical" foi defendida pelo presidente Jair Bolsonaro durante um pronunciamento nesta terça-feira (24). A declaração de Bolsonaro, neste estágio da pandemia da COVID-19, segundo Gonzalo Vecina, é "desastrosa".

    "O que o presidente falou ontem foi desastroso, irresponsável e ele tem que ser cobrado pelos mortos que nós vamos ter em função da fala dele", afirmou.
    Tema:
    Brasil enfrenta COVID-19 (234)

    Mais:

    Já tem planos pós-quarentena? Aqui vão algumas ideias em memes
    'Gripezinha': Bolsonaro ataca imprensa e defende fim de confinamento em massa (VÍDEO)
    Ministério da Saúde destina mais R$ 600 milhões para ações de combate à COVID-19
    Dois navios de cruzeiro pedem ajuda humanitária ao Brasil e atracam no Rio de Janeiro
    Bolsonaro anuncia corte de impostos para medicamento sem eficácia comprovada contra COVID-19
    Tags:
    epidemia, pandemia, Brasil, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar