23:36 05 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Assassinato de Marielle Franco choca o Brasil (39)
    271
    Nos siga no

    O policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio de Queiroz, acusados de matar a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes, vão a júri popular.

    A decisão foi tomada nesta terça-feira (10) pelo Tribunal de Justiça do Rio, quatro dias antes de o crime completar dois anos.

    "O embate entre a tese ministerial (do Ministério Público) e as defensivas deve ser decidido pelo Tribunal Popular", escreveu o juiz Gustavo Gomes Kalil, citado pelo portal G1.

    O juiz considerou que Élcio de Queiroz e Ronnie Lessa agiram por motivo torpe, armaram uma emboscada e dificultaram a defesa das vítimas.

    O policial militar reformado Ronnie Lessa, de 48 anos (à esquerda), e o ex-policial militar Elcio Vieira de Queiroz, de 46 (à direita), presos acusados de matar a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes.
    © AFP 2020 / Polícia Civil
    O policial militar reformado Ronnie Lessa, de 48 anos (à esquerda), e o ex-policial militar Elcio Vieira de Queiroz, de 46 (à direita), presos acusados de matar a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes.

    De acordo com denúncia apresentada pelo Ministério Público do Rio, Ronnie Lessa teria disparado os tiros que mataram a vereadora e o motorista, enquanto Élcio Queiróz teria dirigido o carro usado no crime.

    Os dois estão presos há um ano e cumprem a pena em penitenciárias de segurança máxima.

    Marielle e Anderson foram baleados em 14 de março de 2018 por homens que usavam submetralhadora e seguiam o carro deles em outro automóvel.

    Somente em 12 de março de 2019, dois dias antes de completar um ano do crime, Élcio de Queiroz e Ronnie Lessa foram presos. Até hoje, não se sabe quem mandou matar Marielle e os motivos do assassinato.

    Tema:
    Assassinato de Marielle Franco choca o Brasil (39)

    Mais:

    Marielle e Cacique Raoni são finalistas de prêmio de direitos humanos da União Europeia
    Investigadores do caso Marielle querem ouvir porteiro novamente
    Caso Marielle: Moro defende Bolsonaro e fala em 'fraude' para envolver nome do presidente
    Investigado por envolvimento em assassinato de Marielle, miliciano é morto em tiroteio
    Tags:
    Anderson Gomes, crime político, assassinada, Rio de Janeiro, Marielle Franco
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar