23:27 08 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    893
    Nos siga no

    A chefe de direitos humanos da ONU acusou o Brasil e os Estados Unidos de "reverter" a proteção ambiental, ao mesmo tempo em que elogiou a União Europeia (UE) por tomar "ações ambiciosas" para reduzir as emissões.

    "A proteção do meio ambiente é fundamental para o gozo de todos os direitos humanos", disse Michelle Bachelet ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, em Genebra.

    "Os EUA estão [...] revertendo as proteções ambientais, inclusive para cursos de água e pântanos. Poluentes não tratados agora podem ser despejados diretamente em milhões de quilômetros de córregos e rios, colocando em risco ecossistemas, água potável e saúde humana", acrescentou.

    No ano passado, o governo do presidente dos EUA, Donald Trump, revogou os regulamentos hidroviários adotados por seu antecessor Barack Obama, em uma medida amplamente condenada por conservacionistas, mas celebrada por agricultores e incorporadores.

    Bachelet explicou que medidas para enfraquecer os padrões de emissão de combustível e diminuir a regulamentação sobre as indústrias de petróleo e gás nos EUA sob Trump "também podem prejudicar os direitos humanos".

    A chefe de direitos humanos da ONU, ex-presidente do Chile, também questionou os EUA sobre suas políticas de migração, dizendo que "levantam preocupações significativas sobre direitos humanos".

    "Reduzir o número de pessoas que tentam entrar no país não deve ser desconsiderado as proteções de asilo e de migrantes. A situação das crianças detidas é uma preocupação particular", complementou.

    Bachelet critica Bolsonaro

    Em relação ao Brasil, ela apontou "retrocessos significativos de políticas para proteger o meio ambiente e os direitos dos povos indígenas", sob o presidente Jair Bolsonaro.

    Vista aérea de queimada na Floresta Amazônia, vista à partir da cidade de Porto Velho, capital de Rondônia
    © Folhapress / André Cran
    Vista aérea de queimada na Floresta Amazônia, vista à partir da cidade de Porto Velho, capital de Rondônia

    Bolsonaro, um cético das mudanças climáticas, tem sido amplamente criticado por diminuir as restrições à exploração das vastas riquezas da Amazônia, levando ao desmatamento acelerado da floresta tropical.

    Em contrapartida, Bachelet deu as boas-vindas à "liderança" da UE em meio ambiente através da adoção de um plano de "Acordo Verde" para financiar seu objetivo de tornar o bloco neutro em carbono até 2050.

    "[O acordo] combina ações ambiciosas na UE com uma forte dimensão de ação externa, envolvendo tanto a diplomacia climática quanto a ajuda à cooperação verde", destacou.

    "A implementação deste plano promoverá bastante o desfrute do direito a um ambiente saudável, e eu incentivo medidas sociais fortes para garantir que apenas as transições não deixem ninguém para trás", concluiu Bachelet.

    Mais:

    'Leão' ou 'atraso' para Brasil? Bolsonaro ganha apoio e pedido de impeachment da web
    Celso de Mello cita 'crime de responsabilidade' ao comentar possíveis vídeos enviados por Bolsonaro
    'Amizade' de Bolsonaro com Trump não afeta política de imigração dos EUA, diz analista
    Tags:
    Donald Trump, Jair Bolsonaro, Michelle Bachelet, proteção ambiental, terras indígenas, povos indígenas, índios, desmatamento, meio ambiente, ONU, Floresta Amazônica, Amazônia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar