01:21 03 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    10229
    Nos siga no

    A Federação Única dos Petroleiros (FUP) e sindicatos filiados iniciam a partir deste sábado (1º) uma greve nacional por tempo indeterminado.

    A paralisação reivindica a revisão do fechamento da Ansa/Fafen-PR e o cumprimento de cláusulas de Acordos Coletivos de Trabalho (ACT) da Petrobras e suas subsidiárias.

    Segundo Deyvid Bacelar, diretor da FUP, fechamento da Fafen-PR vai provocar a demissão de 1.000 pessoas.

    "O principal motivo da greve é o processo de fechamento da fábrica de fertilizantes nitrogenados lá do Paraná, que vai gerar a demissão sumária e imediata de 1.000 trabalhadores e trabalhadoras. Isso vai gerar um impacto gigantesco para a economia da cidade de Araucária, na economia da região metropolitana de Curitiba e na do Paraná como um todo", disse em entrevista à Sputnik Brasil.

    O fechamento da planta ocorre em meio a um amplo programa de redução de custos e desinvestimentos da Petrobras. Porém, Deyvid Bacelar, disse que, além dos aproximadamente mil empregos diretos, o fechamento da fábrica pode gerar na perda de outros 3 mil empregos indiretos.

    "O impacto calculado pelo Dieese [Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos], além desses 1000 empregos diretos outros 3000 empregos poderão deixar de existir por conta do fechamento da Facen-Paraná" afirmou.

    Para Deyvid Bacelar o que está acontecendo no Paraná é uma espécie de 'balão de ensaio' para o que a Petrobras pretende fazer nacionalmente.

    "A categoria petroleira está compreendendo que isso é balão de ensaio para ser utilizado em outros ativos e outras empresas do sistema Petrobras aumentando ainda mais o índice de desemprego no Brasil", completou.

    O que diz a Petrobras

    Em nota enviada à Sputnik Brasil, a Petrobras diz que realizou três reuniões com os sindicatos.

    "Foram realizadas três reuniões com as entidades sindicais desde o término das negociações do ACT, mas, mesmo com as mudanças que a Petrobras propôs atendendo a reivindicações importantes dos sindicatos, não houve acordo no prazo pactuado entre as partes – 31/12/2019. É importante mencionar que a FUP sequer realizou assembleias para que os empregados tivessem a oportunidade de apreciar e votar a proposta da companhia", diz um dos trechos da nota.

    Em outra parte da nota, a empresa diz que se "manteve aberta a receber propostas" dos sindicatos, mas que não recebeu nada.

    "A companhia apresentou suas premissas e se manteve aberta a receber propostas das entidades sindicais, mas somente um dos sindicatos, o Sindipetro-LP, apresentou alternativa. Buscando a convergência, a Petrobras formulou quatro alternativas de tabelas e promoveu uma votação entre os empregados de turno, sendo uma delas escolhida por 90% dos votantes. Esta opção foi apresentada aos sindicatos, que não concordaram nem apresentaram contraproposta, apesar da escolha manifestada pelos votantes", afirmou a Petrobras.

    Mais:

    Petroleiros protestam contra demissões em fábrica da Petrobras e indicam greve
    Especialista: recorde na produção de petróleo recompensa quase 12 anos de investimentos da Petrobras
    Petrobras anuncia venda de usinas eólicas e refinarias
    Tags:
    trabalhadores, greve, petroleiros, Petrobras
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar