17:12 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    13192
    Nos siga no

    Passados mais de 100 dias sem saber a origem do óleo que atinge a costa brasileira, uma nova informação mostra que a acusação feita pela Polícia Federal (PF) contra um navio grego, tido como suposto culpado pelo derramamento, foi baseada na confusão de óleo com clorofila.

    Deflagrada em novembro, a Operação Mácula da PF baseou-se em um relatório da empresa HEX Tecnologia para acusar o petroleiro Bouboulina, de propriedade da Delta Tankers Ltd, mas o documento já havia sido antes rejeitado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama).

    Segundo informações publicadas pelo G1 nesta quarta-feira, técnicos do Ibama notaram inconsistências no relatório para vetá-lo. Entre os problemas apontados estariam o aspecto da mancha, a falta de dados e a composição colorida para montar a imagem.

    Os detalhes foram prestados pelo coordenador-geral do Centro Nacional de Monitoramento e Informações Ambientais (Cenima), Pedro Bignelli. No órgão, ligado ao Ibama, ele teve de fazer o caminho inverso tão logo a PF deflagrou a operação, com base no relatório suspeito.

    "Após a operação eu tive acesso ao relatório completo e fiz o caminho inverso: fui buscar as imagens que eles haviam usado e comprovei que meu veredito estava certo. Não era óleo, era clorofila", explicou ele ao G1.

    O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) trabalha com a hipótese de que o óleo que causou o maior desastre da história no litoral brasileiro possa ter origem na África, mas os estudos estão em andamento e ainda não há um prazo para conclusão.

    Conforme os mais recentes dados do Ibama, ao menos 966 pontos em estados do Nordeste e do Sudeste registraram pontos atingidos por óleo.

    Mais:

    Peixes de áreas atingidas por óleo podem ser consumidos, dizem autoridades
    Óleo é encontrado em praia de Vitória
    Após atingir o Nordeste, derramamento de óleo chega às praias do Rio de Janeiro
    Tags:
    Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), África, navio, petroleiro, desastre ambiental, meio ambiente, derramamento, vazamento, óleo, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA), Polícia Federal, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar