18:53 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    393
    Nos siga no

    O Supremo Tribunal Federal (STF) realizou nesta segunda-feira (9) uma audiência pública para discutir a possibilidade de candidaturas avulsas, ou seja, de pessoas que não tenham filiação partidária.

    Atualmente o entendimento da Justiça é de que é necessário ser filiado a um partido político para poder ter o direito de ser candidato a uma eleição no Brasil.

    A audiência pública foi convocada por conta de um recurso movido pelo advogado Rodrigo Sobrosa Mezzomo e Rodrigo Rocha Barbosa, que pretendiam se candidatar de forma independente nas eleições municipais de 2016, mas tiveram o registro rejeitado pela Justiça Eleitoral.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, o advogado Rodrigo Sobrosa Mezzomo, defendeu que a Constituição Brasileira permite candidaturas avulsas.

    Segundo Mezzomo, a autorização se deve ao fato de que o Brasil é signatário do pacto de São José da Costa Rica, que segundo ele, "permite a candidatura sem filiação partidária".

    "Tanto a nossa própria Constituição, quanto o Pacto de São José da Costa Rica, interpretados em conjunto, permitem uma releitura do sistema jurídico e permitem a conclusão de que é possível a candidatura independente no Brasil", explicou.

    Dos 12 partidos que participaram de uma audiência pública no Supremo, 11 foram contrários a uma mudança promovida pelo Judiciário.

    Participaram do evento representantes de PT, MDB, PROS, DEM, PSDB, Solidariedade, PL, PMN, PSD, Novo, Republicanos e Rede.

    Os principais argumentos utlizados pelos partidos contrários a liberação é de que não cabe ao Supremo mudar a leitura de um dispositivo expresso na Constituição. Somente a Rede se manifestou favorável às candidaturas avulsas.

    Para Mezzomo, o posicionamento dos partidos políticos não é nenhuma surpresa.

    "Como o Congresso Nacional é dominado pelos caciques políticos e dominado pelas legendas, as seis PEC's que foram propostas jamais seguiram adiante, ou seja, esperar que esse tema seja um tema votado e aprovado pelo Congresso Nacional é desconhecer o funcionamento da Casa", afirmou.

    O ministro do STF, Luís Roberto Barroso, responsável pela convocação da reunião, não detalhou como será a regulamentação das candidaturas avulsas caso a corte as libere.

    Mais:

    Senado aprova fundo eleitoral sem definir limitação de valor
    Barroso dá 15 dias para Bolsonaro esclarecer informações sobre pai do presidente da OAB
    TSE inicia testes de segurança das urnas eletrônicas para as eleições brasileiras de 2020
    Após serem submetidas a testes de segurança, urnas eletrônicas apresentam 'falhas superficiais'
    Tags:
    eleições, candidatos, candidatas, candidato, Supremo Tribunal Federal (STF), Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar