02:22 11 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    O presidente Jair Bolsonaro deixa o Ministério da Defesa após almoço com ministros de seu governo, em Brasília no dia 14 de janeiro de 2019.

    Bolsonaro debocha sobre alta do dólar e diz para jornalistas ligarem para presidente do BC

    © Folhapress / Pedro Ladeira/Folhapress
    Brasil
    URL curta
    241028
    Nos siga no

    Ao ser perguntado sobre a alta do dólar, que fechou a R$ 4,20, maior cotação nominal da história, o presidente Jair Bolsonaro sugeriu aos repórteres que falassem com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

    "Dólar subiu? Conversa... Quer o telefone do Roberto Campos?", disse Bolsonaro na entrada do Palácio da Alvorada, onde parou para falar com apoiadores e foi abordado pela imprensa, segundo publicado pelo jornal O Globo. 

    As causas apontadas para a alta da moeda americana foram a guerra comercial entre Estados Unidos e China e o crescimento lento da economia brasileira, além dos altos índices de desemprego.

    Antes da cotação atingida nesta segunda-feira (18), o recorde nominal (sem contar a inflação) era de R$ 4,196, no dia 13 de setembro de 2018, após o primeiro turno das eleições presidenciais, segundo informou o UOL. 

    A cotação atual, contudo, está longe de ser a mais alta da história se os valores forem reajustados pela inflação. Para alcançar o recorde histórico, o dólar precisaria alcançar a cifra de R$10,81, segundo cálculos da empresa Economatica. 

    O recorde de valor mais alto do dólar, portanto, foi registrado em 22 de outubro de 2002, quando a moeda estrangeira era comprada por (em valor não corrigido) R$ 3,954.

    Mais:

    Bolsonaro fala em 'desequilíbrio' que prejudica o Brasil no Banco do BRICS
    Ao elogiar Enem, Bolsonaro diz que 'nunca houve ditadura no Brasil'
    Polarizado como em 1889, Brasil republicano vive prova de fogo na era Bolsonaro, dizem analistas
    Tags:
    recessão, desemprego, China, moeda, cotação, real, Dólar, EUA, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar