14:53 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Gilmar Mendes, ministro do STF, em 23 de outubro, durante julgamento sobre prisão em segunda instancia realizado no Plenário do STF.

    Gilmar Mendes é apontado relator em 'caso do AI-5' de Eduardo Bolsonaro

    © Folhapress / Mateus Bonomi/Agif/Folhapress
    Brasil
    URL curta
    570
    Nos siga no

    Na segunda-feira (4), o ministro Gilmar Mendes foi apontado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) como relator de ação contra o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

    O ministro Gilmar Mendes foi sorteado através de um sistema eletrônico do STF.

    A ação de notícia-crime foi solicitada por partidos da oposição e denuncia o deputado Bolsonaro por incitação ao crime, apologia ao crime e improbidade administrativa.

    As acusações estão ligadas a uma fala do deputado durante entrevista quinta-feira (31) em que ele sugere "um novo AI-5" em caso de radicalização da esquerda brasileira.

    A fala de Bolsonaro causou polêmica e repercussão no mundo político. Entre as reações está a do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, que classificou a fala como "repugnante".

    Ao todo, 18 parlamentares de PT, PCdoB, PDT, PSB, PSOL e Rede Sustentabilidade, assinam a denúncia contra Eduardo Bolsonaro.

    Tramitação

    O próximo passo do trâmite é o envio da palavra do relator para a Procuradoria Geral da República, cujo chefe, Augusto Aras, decidirá se apresenta ou não a denúncia contra o deputado.

    Caso a PGR aceite se decida por enviar a denúncia, caberá ao STF decidir de a aceita ou a rejeita.

    Na sexta-feira (1º ), uma coluna do portal G1, afirmou que membros da cúpula da PGR entendem que a fala de Bolsonaro está protegida pela imunidade parlamentar, garantida pela Constituição.

    Ditadura Militar

    O Ato Institucional número 5 (AI-5), foi assinado em 1968, durante a Ditadura Militar. A medida fechou o Congresso Nacional e abriu caminho para a cassação de mandatos de políticos.

    Além disso, o AI-5 também gerou o afastamento de juízes e suspendeu o direito ao habeas corpus, abrindo caminho para a tortura e perseguições.

    Com a repercussão da fala, o deputado Eduardo Bolsonaro chegou a afirmar que "talvez tenha sido infeliz" e teve a fala rechaçada pelo pai, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (PSL).

    Mais:

    Eduardo Bolsonaro ameaça: Brasil pode ter 'um novo AI-5' se esquerda radicalizar (VÍDEO)
    Após declaração de filho, Bolsonaro diz que 'quem fala em AI-5 está sonhando'
    'Talvez tenha sido infeliz', diz Eduardo Bolsonaro sobre AI-5
    Após AI-5 de Eduardo, Flávio Bolsonaro chega com AI-6 e causa enxurrada de tweets
    Para PGR, fala de Eduardo Bolsonaro sobre AI-5 é protegida por imunidade parlamentar, diz site
    Tags:
    Procuradoria-Geral da República (PGR), Augusto Aras, Gilmar Mendes, Rede Sustentabilidade, PSOL, PSB, PDT, PCdoB, PSL, PT, Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar