11:28 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Exportações do agronegócio somaram US$ 96 bilhões em 2017

    Colapso do agronegócio? Brasil pode evitar impacto climático na economia, diz especialista

    Andre Penner/AP
    Brasil
    URL curta
    4193
    Nos siga no

    A UNCTAD divulgou um relatório com dados que revelam como mudanças climáticas podem impactar na economia brasileira e o agronegócio pode ser um dos principais prejudicados. A Sputnik Brasil ouviu um professor da área para analisar a questão.

    O relatório "Dependência de Commodities, Mudança Climática e o Acordo de Paris" aponta que as mudanças no clima podem reduzir áreas aptas para a produção de soja em até 28% até 2030.

    A Sputnik Brasil ouviu Marcos Fava Neves, professor de Estratégia e Agronegócio da Universidade de São Paulo (USP) para discutir a questão.

    Ao apresentar o prognóstico sobre o impacto das mudanças climáticas na produção agrícola brasileira, a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) recomenda que o governo brasileiro se prepare e diversifique as bases de sua economia.

    O professor acredita que essa é uma perspectiva importante, mas que o cenário é mais complexo do que parece, uma vez que países como a China, entre outros, dependem da produção brasileira de alimentos.

    "Precisa entender de onde viria a comida para abastecer 9 bilhões de pessoas no planeta em 2050. Então se ele [o relatório] não está dando essa recomendação, ele já tem um furo, pois está sugerindo interferir na oferta e não vai ter como abastecer as demandas", afirma.

    Crítico ao texto publicado pela UNCTAD, o professor entende que o Brasil tem atualmente bons exemplos no setor ambiental e uma legislação modelo nessa área.

    Aposta na tecnologia

    Para Fava Neves, a afirmação do relatório de que o país terá suas áreas cultiváveis de soja reduzidas não leva em conta avanços tecnológicos.

    "Até 2030, com toda a genética 4.0 que está sendo desenvolvida - alteração de genes de plantas - com certeza nós teremos já uma soja apta", afirma.

    O especialista explica que novas tecnologias podem fazer com que a soja possa ser cultivada em possíveis temperaturas mais altas, assim como utilizando menos água.

    "Uma coisa importante para o relatório é considerar o avanço tecnológico que nós teremos em 13, 15 anos como um mitigador do risco de não se conseguir produzir em um suposto aquecimento do planeta", afirma Fava Neves.

    O professor também entende que o esperado crescimento do agronegócio nos próximos anos em função da demanda não será necessariamente bancado com o avanço sobre as florestas no Brasil.

    O relatório da UNCTAD, que destaca o Brasil como um país dependente de commodities, também alerta para o desmatamento como uma das principais fontes de emissão de gases estufa no país.

    "A gente sabe que o crescimento desses 10 milhões de hectares que o Brasil precisa para suprir de maneira competitiva alimentos ao mundo podem vir de áreas já degradadas e pastagem", aponta.

    Otimista, Fava Neves também acredita que há alternativas econômicas de serviços de preservação ambiental que o Brasil pode explorar nesse período, como o sistema de créditos de carbono. Dessa forma, segundo ele, a crise prevista pela UNCTAD poderia ser evitada.

    Mais:

    Araújo afirma que 'climatismo' é responsável por reação mundial sobre a Amazônia
    Agronegócio pode contribuir para a diversificação da matriz energética brasileira?
    Dólar em alta, agronegócio em alerta: câmbio é preocupação de produtores no Brasil
    'Preservar a floresta é do interesse do agronegócio'
    Tags:
    USP, ONU, Unctad
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar