20:27 17 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente Jair Bolsonaro participou de uma cerimônia em homenagem aos ex-combatentes brasileiros que lutaram na Segunda Guerra Mundial

    Governadores do Nordeste buscam 'driblar característica autoritária do governo', diz especialista

    © Sputnik / Thiago de Araújo
    Brasil
    URL curta
    4143
    Nos siga no

    Governadores do Nordeste criaram a iniciativa Amazônia Legal para negociar diretamente com países europeus financiadores do Fundo Amazônia, após Alemanha e Noruega suspenderem recursos para a preservação da Floresta Amazônica.

    Os governadores do consórcio interestadual Amazônia Legal divulgaram nesta semana uma nota lamentando as posições do governo federal e afirmando que pretendem negociar diretamente com países europeus para obter recursos para programas ambientais.

    O grupo Consócio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Legal é formado pelos governadores de Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

    O professor da Universidade do Ceará e doutor em Ciência Política pela UERJ, Clayton Cunha Filho, em entrevista à Sputnik Brasil, disse que iniciativas como a dos governadores do Nordeste são formas de "driblar" as características autoritárias e centralizações excessivas do governo federal.

    ​"São iniciativas que acontecem devido a essa característica do governo atual, que tem um viés extremamente centralizador e até mesmo autoritário, a gente precisa perder o medo de usar as palavras corretas, e que publicamente declara que vai privilegiar sempre quem se alinhar com eles, e qualquer dissidência vai deixar de lado", afirmou.

    "Esse tipo de iniciativa [...] são demonstrações de insatisfação com decisões que estão sendo tomadas pelo governo federal e que atrapalham muito mesmo os interesses de pessoas que apoiaram ou que ainda apoiam o governo Bolsonaro", acrescentou.

    O especialista destacou também que essa iniciativa dos governadores do Nordeste pode ser positiva para diminuir a grande centralização que existe na arena política brasileira.

    "O Brasil, embora seja uma República federal, onde oficialmente há uma autonomia dos estados e municípios, mas ainda é uma federação que deixa a desejar em muitos sentidos. Ainda há um grau muito grande de centralização em diversas arenas da nossa política, e esses podem ser ensaios que levem a uma melhor articulação desses níveis estaduais e regionais que pode ser benéfico para o país a médio e longo prazo", completou Clayton Cunha.

    'Falta de coordenação política'

    Já o cientista político da Universidade Presbiteriana Mackenzie (SP), Maurício Fronzaglia, afirmou que a iniciativa da Amazônia Legal revela uma falta de coordenação política por parte do governo Bolsonaro.

    "Isso demonstra a falta de coordenação política do governo, que é algo que já se vê nesses meses de governo com relação ao Congresso Nacional, há uma relação por ora conflituosa no Congresso, onde o presidente não teria dificuldade em formar um bloco de maioria, mas mesmo assim ele tem uma dificuldade nesse relacionamento", observou.

    ​De acordo com ele, a iniciativa dos governadores do Nordeste em relação ao consórcio Amazônia Legal demonstra um caso análogo.

    "Falta um pouco mais de jogo de cintura e sabedoria política pro presidente negociar com os governadores, incluindo aqueles que já o apoiam", completou o especialista. 

    ​Responsável por 93,8% do valor já arrecado pelo Fundo Amazônia, a Noruega é a principal financiadora da iniciativa, seguida por Alemanha (5,7%) e Petrobras (0,5%). Para ter acesso aos recursos, o Brasil precisa ter desmatamento anual inferior à taxa de 8.143 km² na Amazônia.

    A Noruega bloqueou repasse de R$ 133 milhões destinados ao Fundo Amazônia após a Alemanha também embargar a transferência de R$ 155 milhões.

    Mais:

    O mundo de olho na Amazônia: organização internacional denuncia violações contra indígenas
    Brasil caminha para ver o fim do Fundo Amazônia?
    Bolsonaro defende soberania da Amazônia e pede que argentinos 'não retrocedam'
    Tags:
    Jair Bolsonaro, Noruega, Alemanha, Floresta Amazônica, Amazônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar