15:20 18 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Itaipu é uma das seis usinas que integram o Grupo Eletrobras

    Brasil nega 'segredo' sobre ata de Itaipu e refuta acusação de favorecimento a empresa

    Alexandre Marchetti/Itaipu Binacional/Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    3 0 0
    Nos siga no

    Na sexta-feira (9), o Ministério de Minas e Energia quebrou o silêncio sobre a ata bilateral entre Brasil e Paraguai sobre Itaipu em nota oficial conjunta com o Ministério das Relações Exteriores.

    Os ministérios prestaram esclarecimentos refutando alegações de que houve segredo na negociação. Segundo a nota oficial do governo, a ata pretendia ajustar a venda de energia entre os países.

    "[A ata] buscava corrigir uma defasagem histórica na contratação da energia de Itaipu por parte da Ande (Administração Nacional de Eletricidade)", diz a nota.

    A Ande é a estatal energética paraguaia que administra Itaipu junto com a brasileira Eletrobrás.

    O Brasil tem apontando que o Paraguai informa valores de demanda de energia de Itaipu abaixo do real consumo. Dessa forma, nos termos do acordo da hidrelétrica binacional, o país pagaria menos pela energia que precisasse utilizar a mais.

    Além disso, os ministérios afirmaram que não houve nenhuma negociação paralela para beneficiar empresas privadas no acordo.

    "Não tem qualquer fundamento a especulação sobre a possibilidade de comercialização da energia da usina binacional por parte de alguma empresa que não seja a Eletrobras e a Ande", diz o documento.

    A imprensa paraguaia tem divulgado informações de que uma empresa brasileira teria participado das negociações com o objetivo de obter benefícios financeiros.

    A ata entre os países ficou conhecida como "ata secreta de Itaipu" e foi revelada no final de julho. O Senado Federal brasileiro abriu uma investigação para apurar a questão.

    O documento foi assinado em 24 de maio e designava mudanças nos valores de venda de energia do Paraguai para o Brasil.

    O teor secreto da ata gerou uma crise política no Paraguai e ameaças de impeachment ao presidente paraguaio, Mario Abdo Benítez. Após vir a público, o acordo foi cancelado, no dia 1 de agosto.

    Mais:

    Paraguai pode usar demissão de diplomatas ligados a Itaipu para negociar, avaliam analistas
    Brasil e Paraguai anulam acordo controverso sobre Itaipu
    Itaipu: 'impasse binacional' envolve Bolsonaro e 'balança' Benítez no Paraguai
    Senado investigará 'ata secreta' de Itaipu e 'favorecimento' a empresa vinculada ao PSL
    Tags:
    Mario Abdo Benítez, Ministério das Relações Exteriores do Brasil, Ministério de Minas e Energia, Itaipu
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar