15:15 20 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Desmatamento voltou a crescer na Amazônia nos dois últimos anos

    Fala de Bolsonaro sobre desmatamento é um 'absurdo', diz pesquisador do INPE

    Wilson dias/Agência Brasil/Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    15354

    O presidente Jair Bolsonaro (PSL) criticou os dados que apontam aumento no desmatamento na Amazônia. A fala foi rebatida pelo presidente do órgão responsável pelo levantamento e abriu uma disputa.

    O desmatamento na Amazônia Legal foi 88% maior em junho deste ano na comparação com o mesmo mês de 2018, afirma o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Segundo levantamento do Instituto, foram desmatados 920,4 quilômetros quadrados em junho de 2019.

    "Pelo nosso sentimento isso não corresponde à verdade e parece até que [o presidente do INPE] está a serviço de alguma ONG", disse Bolsonaro após a divulgação da cifra do INPE, órgão subordinado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

    O presidente do INPE, Ricardo Galvão, rebateu a fala do presidente em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo e disse que os dados são respeitados mundialmente: "Como se ele [Bolsonaro] tivesse qualidade ou qualificação de fazer análise de dados". Galvão também negou estar a serviço de qualquer ONG ambiental, garantiu que não irá pedir demissão e classificou a atitude do presidente como "pusilânime e covarde".

    Em entrevista à Sputnik Brasil, o pesquisador de astrofísica do INPE Carlos Alexandre Wuensche qualifica a fala Bolsonaro como um "absurdo". 

    "O ponto principal é a palavra que o presidente usou, ele tem o 'sentimento' que esses resultados são falsos e que o INPE está mentindo sobre os dados. Isso é um absurdo, não existe sentimento em ciência, não existe sentimento no tipo de serviço que a gente avalia, existe eficiência e metodologia e existe um trabalho muito sério."

    Bolsonaro disse que as informações sobre desmatamento deveriam ser entregues previamente para evitar ser pego "de calças curtas" e que os dados devem, antes de serem publicados, informados ao ministro Marcos Pontes, da Ciência e Tecnologia, Inovações e Comunicações.

    Wuensche, que também já foi chefe de gabinete da direção do INPE, garante que os dados já são compartilhados.

    "Esses dados são abertos, qualquer pessoa pode verificar. Nenhum desses resultados é colocado na mídia sem uma conversa com o Ministério do Meio Ambiente, então o INPE nunca faz esse anúncio sozinho, ele comunica o ministro da Ciência e Tecnologia, então esse anúncio de feito de maneira combinada, todo mundo sabendo o que está acontecendo." 

    Mais:

    Bolsonaro garante que não vai propor fim da multa de 40% do FGTS
    Bolsonaro diz que vai cortar R$ 2,5 bilhões, mas não especifica em qual ministério
    Bolsonaro quer embargar dados oficiais sobre desmatamento na Amazônia
    Bolsonaro: 'Nordeste é Brasil, é terra minha'
    Especialista: Governo Bolsonaro acerta ao anunciar contingenciamento de R$ 1,440 bilhão
    Tags:
    Jair Bolsonaro, INPE
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar