05:34 22 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Manifestante manda recado durante dia da Greve Geral no Rio de Janeiro

    Pressão e atos: centrais sindicais revelam estratégia para derrubar Reforma da Previdência

    © Sputnik / Serguei Monin
    Brasil
    URL curta
    10213
    Nos siga no

    Uma reunião na última quinta-feira entre 10 das 11 principais centrais sindicais do Brasil traçou uma série de medidas estratégicas para derrotar a Reforma da Previdência, aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados. Para os sindicalistas, ainda é possível reverter o quadro atual.

    Quem acredita nisso é o sociólogo Júlio Turra, diretor-executivo da Central Única dos Trabalhadores (CUT). Em entrevista à Sputnik Brasil, ele destacou que o movimento sindical alinhou várias ações antes da retomada do debate a respeito da reforma, que deve acontecer no início de agosto.

    "No dia 6 de agosto nós acordamos que vamos concentrar [2 mil] sindicalistas em Brasília para fazer uma calorosa recepção aos parlamentares. Essa semana de 5 a 12 [de agosto] está prevista a chegada dos parlamentares em Brasília, no dia 6 pode ser que se inicie o segundo turno, e de qualquer maneira o Rodrigo Maia [presidente da Câmara] está querendo resolver o segundo turno entre 6 e 8 de agosto", destacou Turra.

    "Então é um período em que nós enviaremos de todas as centrais sindicalistas até Brasília para visitar parlamentares em seus gabinetes, para ocupar o Salão Verde com a nossa presença. Se formos impedidos, como ocorreu em 10 de julho vamos fazer manifestações do lado de fora da Câmara dos Deputados", acrescentou.

    O dirigente relembrou que a luta sindical contra a Reforma da Previdência, a qual ele chama de "cruel" com a classe trabalhadores, teve início tão logo o presidente Jair Bolsonaro (PSL) tomou posse, em janeiro. As centrais sindicais realizaram vários atos pelo país desde então, sendo o maior deles a Greve Geral de 14 de junho.

    Manifestação contra a reforma da previdência em Brasília
    Manifestação contra a reforma da previdência em Brasília

    Entretanto, Turra reconheceu que nada disso foi suficiente para barrar a reforma previdenciária como um todo, embora algumas vitórias ele credite ao movimento de resistência por parte dos sindicatos, como a retirada do sistema de capitalização, um dos pontos nevrálgicos defendidos pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

    "Foi destacado que essa pressão social que a CUT fez ao lado das demais centrais, junto com os movimentos populares, as duas frentes – o Povo Sem Medo e Brasil Popular –, a UNE, uma ampla frente de organizações e entidades não só sindicais, ela incidiu no debate congressual, minorou alguns danos da reforma, que acabou sendo reivindicada pelo Rodrigo Maia como a reforma do Centrão, e de fato se você comparar com a reforma que o Bolsonaro entregou junto com o Guedes, que tinha capitalização individual, saíram alguns itens da reforma, mas ela continua inaceitável", ponderou.

    Pressão patronal de um lado, sobre os senadores de outro

    O diretor-executivo da CUT não quis antecipar o quão expressivos poderão ser os atos convocados para o dia 13 de agosto em todo o país. Segundo ele, muitos sindicatos ainda enfrentam dificuldades pelo que chamou de "atitudes anti-sindicais", protagonizadas por patrões ou por medidas judiciais, impondo multas para alguns setores nas manifestações anteriores.

    "Houve muita judicialização [no dia 14 de junho], houve muita pressão patronal, então os sindicatos estão se virando para cobrir os prejuízos impostos por uma atitude anti-sindical, seja da Justiça ou da patronal, então o consenso foi de chamar um dia nacional de mobilizações, com paralisações, assembleias e greves, o que abre espaço para cada um entrar com o seu grão de areia nessa grande mobilização. Os que tiverem condições de fazer greve irão fazer, os que tiverem paralisações sociais serão bem-vindos, e faremos paralisações e atos nas principais capitais e cidades do país ao final do dia", comentou.

    Com uma lista dos deputados que votaram a favor da Reforma da Previdência em primeiro turno na Câmara – foram 379 votos a favor –, os sindicalistas prometem fazer pressão junto às bases de cada um deles, a fim de tentar reverter votos antes do segundo turno. Outra meta é buscar as chamadas emendas supressivas, a fim de retirar alguma proposição do texto já aprovado.

    "O segundo turno não pode alterar o escopo geral da proposta, mas pode fazer destaques que suprimam algumas questões mais escandalosas, digamos assim, como pensões inferiores a um salário mínimo. Mas, evidentemente, não vai alterar o caráter geral da reforma", ponderou Turra, que também já volta os seus olhares para o Senado, para onde a proposta seguirá assim que concluída a votação na Câmara.

    Estudantes participam da manifestação contra a reforma da Previdência no Rio de Janeiro
    © Sputnik / Sergei Monin
    Estudantes participam da manifestação contra a reforma da Previdência no Rio de Janeiro

    "Em seguida, [a reforma] vai ao Senado, lá há uma Comissão de Constituição e Justiça, tem um prazo para analisar a proposta e as próprias lideranças do Senado tem dito que a tramitação será de 60 dias. Portanto, se ela entrar por volta do dia 13 de agosto, ela iria até o início de setembro, então nós ainda temos um período para fazer pressão e mobilizações, a primeira será no dia 13 de agosto, e em função do balanço que faremos dela não estão descartadas novas mobilizações, paralisações, greves para exercer pressão sobre a votação no Senado", complementou.

    As centrais sindicais dizem estar em contato com os 81 senadores em suas bases, a fim de expor o ponto de vista da classe trabalhadora. A antecipação, observou Turra, também aborda algumas manobras que estão sendo gestadas no Senado, como a de reincluir estados e municípios na reforma por meio e uma PEC paralela. E não é só: o dirigente da CUT disse que também espera uma "ajudinha" de Bolsonaro.

    "Nós vamos acompanhar, dia a dia, porque contamos também com as recorrentes trapalhadas do governo Bolsonaro, que cria crises quase cotidianas", ironizou, relembrando a ideia do presidente em indicar o seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para o posto de embaixador do Brasil nos EUA – os senadores precisam aprovar tal indicação.

    "O presidente está insistindo nisso e isso pode provocar ruídos, atrasos, situações que favoreçam a nossa pressão para derrotar essa reforma", completou o sindicalista.

    Mais:

    Bolsonaro: Reforma da Previdência está nas mãos do Legislativo
    Empate técnico: Brasil está dividido ao meio sobre a Reforma da Previdência, indica Datafolha
    Esquerda em transe: derrota na Previdência mostra momento frágil
    Tags:
    greve, protesto, União Geral dos Trabalhadores (UGT), CUT, sindicatos, trabalhadores, aposentadoria, pensões, Eduardo Bolsonaro, Jair Bolsonaro, Rodrigo Maia, Senado, Câmara dos Deputados, reforma da previdência, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar