21:12 15 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Polícia Federal desarticula grupo que traficava pessoas para exploração sexual na Itália e Eslovênia

    PF desmonta esquema de exploração e comercialização de ouro ilegal no Brasil

    Divulgação/PF
    Brasil
    URL curta
    370

    A Polícia Federal (PF) realizou nesta terça-feira (18) a Operação Ouro Perdido, destinada a combater os crimes de exploração e comercialização ilegal de ouro extraídos de garimpos clandestinos no Brasil, Suriname e na Guiana Francesa.

    Em nota, a Polícia Federal informou que houve troca de informações entre o Brasil e a França sobre as atividades de uma organização criminosa no Oiapoque, no Amapá, suspeita de explorar e comercializar ouro através de garimpo ilegal no Brasil, Suriname e na Guiana Francesa.

    “Durante as investigações houve troca de informações entre as autoridades brasileiras e francesas [Gendarmerie e Ministério Público Francês] acerca da possível prática de crimes em território francês. A Cooperação Policial Internacional foi realizada com auxílio dos Oficialatos de Ligação da Polícia Federal na Guiana Francesa e do Centro de Cooperação Policial existente na cidade de Saint-Georges-de-l’Oyapock”, informou a PF.

    ​A operação foi realizada em cidades dos estados de Amapá, Goiás, Pará e São Paulo, cumprindo 20 mandados de prisão temporária e 36 de busca e apreensão. Além disso, foram bloqueados aproximadamente R$ 146 milhões e proibidas as atividades comerciais e financeiras dos investigados.

    Ainda de acordo com a Polícia Federal, os locais investigados vendiam o ouro extraído ilegalmente “para pessoas físicas e jurídicas, incluindo uma instituição financeira, localizadas em diversas regiões do Brasil”.

    Mais:

    Polícia Federal busca Cesare Battisti
    Polícia Federal realiza buscas na sede do PSL em MG
    Bolsonaro anuncia convocação de mil novos servidores para a Polícia Federal
    Tags:
    Suriname, Guiana Francesa, crime, Polícia Federal, ouro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar