08:36 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Amazônia (arquivo)

    Desmatamento na Amazônia brasileira ganha fôlego e cresce 20% até abril, revela ONG

    © flickr.com/ Cifor
    Brasil
    URL curta
    631

    Um grupo não-governamental que monitora a Floresta Amazônica há duas décadas informou na segunda-feira que o ritmo do desmatamento aumentou 20% nos últimos nove meses.

    O Imazon revelou que imagens de satélite mostraram que a região perdeu 2.169 quilômetros quadrados de floresta de agosto a abril, acima dos 1.807 quilômetros quadrados perdidos em relação ao mesmo período do ano anterior.

    O ano de monitoramento do grupo começa em agosto, para coincidir com a estação seca do Brasil, quando as taxas de extração são geralmente mais altas.

    Os analistas do grupo culpam a exploração madeireira descontrolada e a invasão de terras por grande parte das perdas, algumas das quais ocorreram em áreas protegidas e reservas indígenas.

    O presidente Jair Bolsonaro e seu ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, questionaram a realidade da mudança climática e falaram em favor da expansão da mineração e da agricultura industrial, inclusive na Amazônia e em áreas protegidas. Ambos acreditam que as leis ambientais e os grupos ativistas frequentemente trabalham para impedir o potencial econômico do Brasil.

    Salles afirmou no início deste mês que queria reformular o Fundo Amazônia, uma iniciativa criada para conter o desmatamento em uma área de quase 7 milhões de quilômetros quadrados. Ele estava agendado para se reunir na segunda-feira com representantes dos governos alemão e norueguês, dois dos principais contribuintes do fundo.

    Salles disse que seu ministério revisou 103 contratos concedidos pelo fundo a grupos sem fins lucrativos, cerca de um terço de todos os contratos assinados desde o seu lançamento em 2008. Ele disse que a investigação encontrou "irregularidades" em todos os 103 contratos, mas não deu nenhum caso específico, citando cláusulas de confidencialidade até revisão pelos auditores.

    Entrevistado antes da reunião de segunda-feira pela TV Globo, Salles reiterou sua intenção de sacudir o fundo apertando regras e supervisão sobre a alocação de contratos e a escolha de projetos que possam obter financiamento.

    "Queremos melhores resultados para reverter o aumento do desmatamento", avaliou Salles, dizendo que queria resultados "mensuráveis" e um "retorno sobre o investimento".

    Salles pontuou que não poderia dar mais detalhes sobre as mudanças propostas pelo ministério antes de discuti-las com a Noruega e a Alemanha. A estatal brasileira Petrobras é o terceiro maior contribuinte do fundo.

    O fundo foi criado para receber doações para ajudar a prevenir, monitorar e combater o desmatamento na Floresta Amazônica, uma vasta área rica em biodiversidade e cuja preservação é vista como essencial para conter a mudança climática.

    Mais:

    Frente parlamentar quer defender Amazônia com apoio do governo e sem choque com ruralistas
    'Apocalipse Bolsonaro': indígenas alertam sobre violência e destruição da Amazônia
    Quero que os EUA explorem a Amazônia, revela Bolsonaro após conversa com Trump
    Tags:
    invasão, grilagem, indígenas, ONGs, ruralistas, meio ambiente, desmatamento, preservação, Fundo Amazônia, Petrobras, Imazon, Ricardo Salles, Jair Bolsonaro, Noruega, Alemanha, Floresta Amazônica, Amazônia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar