12:59 15 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    O deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente eleito Jair Bolsonaro,

    Brasil ter bomba nuclear é 'desprovido de lógica conceitual', diz especialista

    © Foto / Paola de Orte/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    26201
    Nos siga no

    Após grande repercussão da fala do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que defendeu que o Brasil tenha armas nucleares, a Sputnik Brasil conversou com o especialista em Relações Internacionais, Diego Pautasso, sobre a pertinência e tal afirmação para a atual conjuntura da política externa brasileira.

    O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) afirmou na última terça-feira (14) que bombas nucleares garantem a paz e, caso o Brasil possuísse uma, poderia ser levado a sério pela Venezuela ou ser temido por Rússia e China.

    O professor de Relações Internacionais do Colégio Militar de Porto Alegre, Diego Pautasso, em entrevista à Sputnik Brasil, disse que a declaração de Eduardo Bolsonaro é, "na melhor das hipóteses, problemática".  

    "Nem Irã, nem China, nem Rússia, representam ou representaram em nenhum momento da história contemporânea qualquer ameaça à soberania e integridade territorial ou ao desenvolvimento nacional brasileiro. Ao contrário, tanto a Rússia, como a China, fizeram e fazem parte de agrupamentos importantes dos quais o Brasil faz parte, notadamente o BRICS, a China é o maior parceiro comercial brasileiro, por exemplo, principal investidor na economia nacional e um parceiro em outros projetos bilaterais, tanto China quanto Rússia", afirmou.

    O especialista em Relações Internacionais destacou que a afirmação do deputado federal "é desprovida de lógica conceitual". 

    "Efetivamente a capacidade nuclear tende a produzir respeito e capacidade dissuasória no sistema internacional, no entanto, nem o respeito é atributo exclusivamente da capacidade nuclear e militar, e tampouco faz sentido buscar respeito e prestígio a um país que atualmente não tem ambições internacionais", argumentou, acrescentando que o Brasil hoje tem uma política externa totalmente alinhada aos interesses norte-americanos.

    "E, mais do que isso, não tem sido um país que almeja a soberania, a independência e o desenvolvimento nacional", completou Pautasso. 

    O especialista também observou que, apesar de ter militares ocupando vários quadros no governo, não foi apresentado nenhum plano de fortalecimento e manutenção dos investimentos delineados na estratégia nacional de Defesa. Somado a isso, foi anunciado no último dia 8 de maio um bloqueio de R$ 5,8 milhões do orçamento do Ministério da Defesa. 

    Diego Pautasso completou citando a experiência da gestão do ex-chanceler Celso Amorim, que "gozou de um protagonismo e de uma influência importante sem ter uma grande capacidade de projeção de força". 

    "Há uma confusão tremenda entre o que gera prestígio e o que gera capacidade formulação e implementação de uma política externa ativa por parte do nosso representante parlamentar", declarou o especialista. 

    Mais:

    Bolsonaro culpa governos anteriores pelo contingenciamento de recursos
    Brasil seria temido por Rússia e China se tivesse bomba nuclear, diz filho de Bolsonaro
    Bolsonaro pede para militares não 'alimentarem discussão' com Olavo de Carvalho
    Quem aceita Bolsonaro? Malquisto em Nova York, presidente brasileiro planeja ida ao Texas
    Tags:
    bomba nuclear, armas nucleares, BRICS, Eduardo Bolsonaro, China, Rússia, Brasil, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar